segunda-feira, 11 de abril de 2011

‘Consenso’ nuclear enfrenta resistência

‘Consenso’ nuclear começa a enfrentar resistência na França
Ao fundo, a usina nuclear de Tricastin, na França
Com 58 centrais, a França é, proporcionalmente à população, o país com o maior número de usinas atômicas no mundo. Mas, mesmo numa nação habituada ao consenso nuclear, a resistência se levanta.
Como primeiro chefe de Estado estrangeiro a visitar o Japão após a catástrofe de 11 de março, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, exigiu em 31/03 em Tóquio padrões internacionais de segurança para as usinas nucleares.
Sarkozy sugeriu ainda a realização de uma conferência internacional sobre o tema, que deverá reunir as 20 principais economias do mundo (G20) em Paris, em maio próximo. Com 80% da energia produzida em seu país por usinas nucleares, Sarkozy tem bons motivos para tratar da questão.
Logo após a catástrofe nuclear em Fukushima, o presidente francês deixou claro que uma desistência da energia nuclear estaria fora de cogitação em seu país. Afinal, os reatores franceses seriam os mais seguros do mundo, assegurou Sarkozy. E o ministro francês da Indústria, Eric Besson, completou: os franceses terão que enfiar a mão mais fundo no bolso caso o país venha a produzir menos energia nuclear.
Pouco antes, os verdes franceses haviam proposto um referendo para decidir sobre a desistência nuclear – uma novidade na França, onde a Areva, maior empresa local de energia nuclear, com participação majoritária estatal, é quase intocável.
“Na França, tivemos a sorte de realizar a maior parte do programa nuclear numa época em que a opinião pública queria reagir à crise do petróleo”, disse Bertrand Barré, que foi diretor de comunicação científica na central parisiense da Areva e hoje é conselheiro da empresa.
Segundo o ex-diretor da Areva, entre 1974 e 2000 o programa nuclear francês teve o objetivo de produzir energia independentemente do petróleo. Havia um grande consenso em torno disso, afirmou. “E como a energia nuclear funcionava bem, como não existiam dramas, as pessoas se acostumaram.”
Nuvem radioativa para nas fronteiras francesas
Em 1986, na época do desastre em Chernobyl, as autoridades francesas tentaram convencer a população do país de que a nuvem radioativa proveniente da Ucrânia teria parado nas fronteiras francesas. Até que alguns cientistas da cidade de Valence desmascararam a mentira estatal.
Eles se reuniram em torno da sigla Criirad – Comissão de Pesquisa e Informação Independentes sobre a Radioatividade, na sigla em francês. O físico Roland Desbordes dirige esse centro de pesquisa e informação independente e único na França.
Segurando uma amostra de 40 gramas de terra, ele afirma que até hoje se pode comprovar a presença da radiação de Tchernobyl no país. “Isso aqui é césio 137″, diz Desbordes, apontando para a amostra, “com uma meia-vida de 30 anos, como detectamos em laboratório. Depois de 25 anos, sua atividade não diminuiu nem pela metade. Ainda contém cerca de 60% da radioatividade de 25 anos atrás”.
Cidadãos nunca foram consultados
Em Lyon, terceira maior cidade da França, está a central de Sortir du Nucléaire (sair do nuclear), uma rede que reúne quase 900 associações em todo o país. Todas dividem o mesmo objetivo: a desistência da energia nuclear. Elas exigem que os 16 reatores franceses mais antigos, ou seja, aqueles com mais de 30 anos de funcionamento, sejam desativados.
O vice-coordenador do grupo, Xavier Rabilloud, aponta para o mapa de um país abarrotado de usinas nucleares, em funcionamento ou desligadas, com depósitos de lixo nuclear, minas de urânio, instalações de processamento, reatores de pesquisa e instalações militares nucleares, bem como portos para submarinos nucleares ou o porta-aviões nuclear Charles De Gaulle.
Segundo Rabilloud, oficialmente a agência francesa de segurança nuclear ASN registra em média cem incidentes na região do Vale do Ródano a cada ano. Entre 800 e 900 casos como esses são registrados anualmente em toda a França, diz.
“É realmente verdade que o setor nuclear na França se encontra completamente fora da zona de influência democrática”, constata Rabilloud. “É preciso que se saiba que os cidadãos franceses jamais foram consultados sobre o programa nuclear, nem de forma direta tampouco através de seus deputados.”
Extensão de vida útil para 40 anos
O bloco 1 da central nuclear em Tricastin, no Ródano, teve sua vida útil prolongada para 40 anos em dezembro de 2010 – foi o primeiro caso do tipo na França. Atualmente, uma prorrogação da vida útil de todos os reatores franceses para 50 anos está em discussão entre a Areva e as autoridades de segurança nuclear.
E isso levando em conta que a França produz mais energia do que precisa, diz Rabilloud. A indústria nuclear, por outro lado, vê a situação de forma diferente: quando as usinas alemãs forem desativadas, os nossos vizinhos precisarão de mais energia – que será fornecida por nós. Ou seja, um negócio lucrativo. (EcoDebate)

Nenhum comentário: