quarta-feira, 31 de julho de 2019

Calor intenso estabelece recordes de temperatura na Europa

Onda de calor excepcionalmente intensa estabeleceu novos recordes de temperatura na Europa.
World Meteorological Organization (WMO)
Uma onda de calor extraordinariamente precoce e excepcionalmente intensa estabeleceu novos recordes de temperatura na Europa e assegurou que o mês de junho foi o mais quente já registrado no continente, com a temperatura média 2°C acima do normal. As altas temperaturas representam uma grande ameaça à saúde das pessoas, à agricultura e ao meio ambiente, mas os relatórios iniciais indicaram que as advertências precoces da saúde do calor limitavam com sucesso o número de mortos.
Tais ondas de calor são consistentes com cenários climáticos que preveem eventos de calor mais frequentes, prolongados e intensos, uma vez que as concentrações de gases de efeito estufa levam a um aumento nas temperaturas globais. 
“Cada onda de calor que ocorre na Europa hoje é mais provável e mais intensa pela mudança climática induzida pelo homem”, disse um estudo publicado por cientistas da World Weather Attribution sobre a  contribuição humana para a quebra de onda de junho de 2019 na França.
“As observações mostram um aumento muito grande na temperatura dessas ondas de calor. Atualmente, estima-se que esse evento ocorra com um período de retorno de 30 anos, mas ondas de calor igualmente frequentes teriam sido cerca de 4ºC mais frias há um século. Em outras palavras. , uma onda de calor intensa está ocorrendo pelo menos 10 vezes mais frequentemente hoje do que há um século “, afirmou.
Os cinco dias de temperaturas excepcionalmente altas seguiram dias com temperaturas recordes mais a leste na Europa. Isso levou o mês como um todo a ficar em torno de 1 ° C acima do recorde anterior de junho, estabelecido em 1999, e cerca de 1°C acima do esperado nas últimas décadas, segundo o Centro Europeu de Previsão Meteorológica de Médio Prazo ( ECMWF) Copernicus Climate Change Service.
A França registrou um novo recorde nacional de temperatura de 45,9°C em Gallargues-le-Montueux em 28 de junho e duas outras estações de observação também relataram acima de 45°C – a primeira vez no registro moderno de que esta temperatura foi ultrapassada.
“45,9° C é uma temperatura que você experimentaria em agosto em Furnace Creek, Death Valley, Califórnia (que detém o recorde como o lugar mais quente do mundo )”, comentou a Météo-France.
Cerca de 13 estações de observação quebraram o recorde anterior de temperatura de 44,1°C estabelecido durante a onda de calor de agosto de 2003. Muitas estações de observação quebraram todos os registros de estações de temperatura máxima, ou registros de junho. Numerosos registros de temperatura mínima durante a noite foram quebrados. Um novo recorde de temperatura média nacional (incluindo diurno e noturno) de 27,9°C foi estabelecido em 27 de junho.
A Espanha também relatou temperaturas generalizadas acima de 40°C, de 27 a 30 de junho. Muito alto a extremo risco de incêndio continua no nordeste da Espanha como resultado. A agência meteorológica e hidrológica nacional espanhola AEMET  publicou um artigo detalhado sobre a” onda de calor de junho de 2019 no contexto da crise climática”.
O Deutscher Wetterdienst  disse que um novo recorde nacional de temperatura de junho de 39,6°C foi estabelecido em 30 de junho. Ele disse que 243 estações de observação estabeleceram novos registros de temperatura em junho, com muitos deles sendo todos registros de temperatura de tempo, e que 223 estações relataram 35,0°C ou mais.
A Áustria deverá ter seu mês mais quente já registrado, 4,5°C acima da média de longo prazo e à frente de 2003, de acordo com o serviço nacional de meteorologia e hidrologia ZAMG .
Mais da metade das estações de observação da Suíça mediram os recordes de temperatura de junho na quarta-feira. Das 85 estações, 43 registraram registros de temperatura em junho e seis registraram um recorde absoluto. Isso inclui Davos em 1594 metros com uma temperatura de 29,8°C. A onda de calor na Suíça atingiu o pico em 30 de junho.
Na República Tcheca, um novo recorde nacional de temperatura de junho foi estabelecido, a 38,9°C, Doksany, 26/06/2019, e a Polônia também registrou recordes. A Hungria viu seu mais quente junho no registro.
Temperaturas acima de 40°C foram registradas em alguns lugares no norte da África. Preocupações sérias foram levantadas sobre o bem-estar dos jogadores na atual Copa das Nações Africanas,  no Egito, como consequência do calor extremo.
Relógio do Clima
O centro europeu de monitoramento climático da OMM, operado pelo Deutscher Wetterdienst, publicou uma “Climate Watch” em 25 de junho sobre “temperaturas acima do normal para a próxima semana em grandes partes da Europa”.
Espera-se que as temperaturas na Europa central estejam entre 3°C e 6°C acima da média de longo prazo e entre 1°C e 3°C acima da média em relação às áreas remanescentes, segundo o centro regional de Offenbach (Alemanha). Uma temperatura máxima diária acima de 30°C é esperada para a maior parte da área durante a maior parte do tempo, parcialmente acima de 35°C.
Ele alertou que a seca pode acompanhar a onda de calor em algumas áreas, especialmente na Europa Oriental, enquanto tempestades frequentes com granizo localmente grande são esperadas na Europa Central e do Sudeste. Haverá um risco de estresse por calor para pessoas vulneráveis e de incêndios florestais, disse.
Nosso planeta está em chamas!
O centro regional de monitoramento do clima fornece informações de orientação em modo pré-operacional para os serviços nacionais. (ecodebate)

Aquecimento global terá perda mundial de produtividade equivalente a 80 milhões de empregos

Aquecimento global deve levar a perdas mundiais de produtividade equivalentes a 80 milhões de empregos.
Aumento no estresse térmico relacionado às mudanças climáticas deve trazer perda de produtividade equivalente a 80 milhões de empregos
De acordo com o relatório, a expectativa é de que o setor mais afetado seja o da agricultura, que atualmente emprega 940 milhões de pessoas em todo o mundo.
Estimativa é de que aquecimento global resulte em aumento no estresse térmico relacionado ao trabalho, prejudicando produtividade e causando perdas econômicas e de emprego; países mais pobres serão os mais afetados; no Brasil, perdas podem ser equivalentes a quase 850 mil empregos.
ONU News
Um aumento no estresse térmico resultante do aquecimento global deverá levar a perdas mundiais de produtividade equivalentes a 80 milhões de empregos em tempo integral no ano de 2030. A informação consta num novo relatório da Organização Internacional do Trabalho, OIT, publicado em 01/07/19.
Projeções baseadas em um aumento de temperatura global de 1,5°C até o final deste século sugerem que, em 2030, 2,2% do total de horas de trabalho em todo o mundo serão perdidos devido às temperaturas mais altas. Isso corresponde a perdas econômicas globais de US$ 2,4 trilhões.
O setor de construção também será severamente impactado.
Estimativas
O relatório alerta ainda que esta é uma estimativa conservadora, porque assume que o aumento da temperatura média global não será superior a 1,5°C. Também pressupõe que o trabalho na agricultura e na construção, dois dos setores mais afetados pelo estresse térmico, são realizados à sombra.
O novo estudo da OIT, “Trabalhando em um planeta mais quente: O impacto do estresse térmico na produtividade do trabalho e trabalho decente”, baseia-se em dados climáticos, fisiológicos e de emprego. Ele apresenta estimativas das perdas de produtividade atuais e projetadas nos níveis nacional, regional e global.
Estresse Térmico
O estresse térmico refere-se ao calor em excesso que o corpo pode tolerar sem sofrer danos fisiológicos. Isso geralmente ocorre em temperaturas acima de 35°C, em alta umidade.
A OIT aponta que o excesso de calor durante o trabalho é um risco para a saúde ocupacional. Ele restringe as funções e capacidades físicas dos trabalhadores, a capacidade de trabalho e, portanto, a produtividade, e em casos extremos, pode levar à insolação, o que pode ser fatal.
Agricultura
De acordo com o relatório, a expectativa é de que o setor mais afetado seja o da agricultura, que atualmente emprega 940 milhões de pessoas em todo o mundo. A projeção é de que a agricultura será responsável por 60% das horas de trabalho globais perdidas devido ao estresse térmico no ano de 2030.
O setor de construção também será severamente impactado, com uma estimativa de 19% das horas de trabalho globais perdidas na mesma data. Outros setores especialmente em risco são bens e serviços ambientais, coleta de lixo, emergência, reparos, transporte, turismo, esportes e algumas formas de trabalho industrial.
Impacto
O estudo destaca que o impacto será distribuído de forma desigual em todo o mundo. Espera-se que as regiões que perderão mais horas de trabalho sejam o sul da Ásia e a África Ocidental, onde aproximadamente 5% das horas de trabalho deverão ser perdidas em 2030.
Isso corresponde a cerca de 43 milhões e 9 milhões de empregos, respectivamente.
Além disso, serão as pessoas das regiões mais pobres que sofrerão as perdas econômicas mais significativas. Espera-se que os países de renda média-baixa e baixa sofram mais, especialmente porque têm menos recursos para se adaptar efetivamente ao aumento do calor.
De acordo com a OIM, as perdas econômicas de estresse por calor reforçarão, portanto, a desvantagem econômica já existente, em particular as taxas mais altas de pobreza no trabalho, emprego informal e vulnerável, agricultura de subsistência e falta de proteção social.
Assista ao vídeo Impacto do calor em excesso nos empregos do mundo: https://www.youtube.com/watch?v=xAtFMKyrUKA
Lusófonos
No Brasil, embora a parcela estimada de horas de trabalho perdidas no país tenha sido de 0,44% em 1995, devido a população considerável, isso significa que a perda de produtividade causada pelo estresse térmico se traduziu em um equivalente a 314 mil empregos em tempo integral.
Já a projeção para 2030, é de que as perdas de produtividade no Brasil sejam equivalentes a 849.9 mil empregos em tempo integral.
O relatório indica que como resultado da mudança climática, a perda de produtividade em termos de jornada de trabalho deve aumentar em praticamente todos os países da América do Sul.
Em Moçambique a projeção para 2030 é de que as perdas correspondam a 272 mil empregos em tempo integral, em Angola a 34 mil, em Guiné-Bissau a 39 mil, em Timor-Leste a 2 mil e em Portugal a 0.2 mil.
Consequências
Para a chefe de unidade no Departamento de Pesquisa da OIT, Catherine Saget, “o impacto do estresse térmico na produtividade do trabalho é uma consequência séria da mudança climática.” Ela disse que se pode “esperar mais desigualdade entre países de baixa e alta renda” e uma piora “nas condições de trabalho para os mais vulneráveis”.
A OIT também alerta que o estresse por calor afetará milhões de mulheres que compõem a maioria dos trabalhadores na agricultura de subsistência, assim como os homens que dominam a indústria da construção. As consequências sociais podem incluir o aumento da migração, à medida que os trabalhadores deixam as áreas rurais em busca de melhores perspectivas.
O relatório pede maiores esforços para projetar, financiar e implementar políticas nacionais que possam enfrentar os riscos do estresse térmico e proteger os trabalhadores. Estes incluem infraestruturas adequadas e melhores sistemas de aviso prévio e melhor implementação das normas internacionais de trabalho, como na área de segurança e saúde ocupacional, para ajudar a elaborar políticas que possam lidar com estes riscos. (ecodebate)

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Círculo polar ártico está queimando

O Círculo Ártico está queimando.
Não, não é impressão sua. O inverno de 2019 está sendo atipicamente quente – e no hemisfério Norte o verão está quebrando recordes de temperatura. Segundo o programa de monitoramento climático Copernicus Climate Change Service (abreviado como C3S), a onda de calor que está varrendo o planeta já fez com que o último mês de junho fosse o mais quente já registrado. Enquanto isso, o círculo Ártico está sofrendo com a pior temporada de incêndios florestais já vista.
Vídeo chocante de urso polar mostra que o aquecimento global está destruindo a vida selvagem
De acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM), agência da Organização das Nações Unidas (ONU) que acompanha o clima e o tempo, desde o início de junho, mais de uma centena de incêndios florestais aconteceram nesse pedaço do globo. Apenas no mês passado, esses incêndios jogaram na atmosfera 50 megatoneladas de CO2 – o que é igual às emissões anuais da Suécia. O órgão classificou os eventos como “sem precedentes”.
Do Alasca à Sibéria, enormes faixas de chamas e fumaça estão envolvendo o hemisfério Norte do planeta. Ainda que incêndios florestais no ártico e na região boreal não sejam uma anomalia, eles têm ficado muito piores. Em 2013, um grupo de cientistas publicou um estudo demonstrando que as queimadas que vêm sendo observadas em florestas boreais ultrapassaram os limites estabelecidos nos último 10 mil anos.
De acordo com o jornal britânico “The Guardian”, na Groenlândia, o prolongado incêndio em Sisimiut, detectado pela primeira vez no dia 10 julho, veio em um momento de calor e seca incomuns, em que o derretimento da vasta camada de gelo no país começou um mês antes do normal. No Alasca, houve relatos de pelo menos 400 incêndios florestais.
Imagem de satélite mostra incêndios no Alasca e no Canadá.
Prejuízo para a atmosfera
O Ártico também é, até o momento, a região mais drasticamente afetada pela crise climática, registrando um aquecimento duas vezes mais rápido do que o do resto da Terra. À CNN, a cientista Claudia Volosciuk, da OMM, declarou que, na Sibéria, a temperatura média de junho deste ano foi quase 5,5°C mais quente do que a média de longo prazo entre 1981 e 2010.
Cientistas chocados com o descongelamento do permafrost do Ártico 70 anos antes do previsto
Em entrevista ao USA Today, o geógrafo ambiental da London School of Economics Thomas Smith afirmou que a incêndios desta magnitude nunca foram registrados nos 16 anos de registro por satélite. Além das florestas, alguns dos incêndios aparentam estar queimando a turfa que cobre as regiões mais ao norte do planeta. Smith explica que essa situação é preocupante porque, enquanto queimadas em florestas tipicamente acabam em algumas horas, esse tipo de solo pode queimar por dias e até mesmo meses. E, como queimam depósitos de carbono, estes eventos podem acelerar ainda mais o processo de aquecimento, levando a mais incêndios.
Incêndio florestal no Alasca, registrado em 29 de julho de 2019.
“Estes são alguns dos maiores incêndios florestais do planeta, com alguns parecendo ter mais de 100 mil hectares [de extensão]”, contou o pesquisador. “A quantidade de [dióxido de carbono] emitido pelos incêndios do Círculo Ártico em junho de 2019 é maior do que a soma do CO2 liberado por incêndios no Círculo Ártico de 2010 até 2018”.
Você tem que assistir este vídeo assustador da NASA dos últimos 140 anos de elevação de temperaturas
Na Rússia, onze de suas 49 regiões têm registros de incêndios florestais, sendo que os maiores – que teriam sido causados por raios – aconteceram nas regiões de Irkutsk, Krasnoyarsk e Buryatia. Segundo o Earth Observatory, da Agência Espacial Americana (Nasa), em 22 de julho, as chamas já tinham queimado 89.076 hectares, 38.930 hectares e 10.600 hectares nessas regiões, respectivamente. E mesmo locais em que não há relatos de incêndios nas proximidades, como em Novosibirsk, a maior cidade siberiana, os ventos carregaram fumaça suficiente para causar uma queda na qualidade do ar.
Em seu perfil no Twitter, o cientista atmosférico Santiago Gassó mostrou que os incêndios siberianos criaram uma cortina de fumaça que se espalha por 4,5 milhões km2 na região central do norte asiático.
Incêndios florestais atingem a taiga, vegetação predominante na Sibéria.
“Isso é chocante”, escreveu. (hypescience)

Má qualidade do ar aumenta risco de infartos e AVCs no inverno

Poluição e Saúde: Má qualidade do ar aumenta risco de infartos e AVCs no inverno.
No inverno, pessoas acima de 65 anos são mais suscetíveis a contrair doenças que podem gerar complicações.
Com a chegada do inverno, a exposição a baixas temperaturas pode representar riscos inclusive a indivíduos saudáveis. Se não estiverem bem agasalhados, há chances de o organismo entrar em hipotermia, condição em que não se consegue manter o próprio corpo aquecido. Para quem tem aterosclerose ou hipertensão, o frio intenso aumenta ainda mais a probabilidade de ocorrerem eventos cardiovasculares, como infarto ou derrame, conhecido como AVC (Acidente Vascular Cerebral). Estima-se em mais de 50% o aumento do número de internações e de mortes por infarto agudo do miocárdio, durante o inverno, em comparação com o verão, sendo que pessoas com mais de 65 anos são as mais afetadas.
O doutor Luiz Antônio Machado César, diretor da Unidade de Coronariopatias Crônicas do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina (FM) da USP, contou ao Jornal da USP no Ar os motivos pelos quais os riscos são maiores para idosos. “Nesse período, ocorre a mudança do perfil das substâncias que são produzidas no tecido respiratório pela traqueia e pelos brônquios pulmonares, que reduzem nossa capacidade de combater infecções. Com isso, é no inverno que ocorrem mais casos de resfriados, viroses e gripe, que é o maior problema: o vírus influenza desencadeia um processo de inflamação do organismo como reação à infecção e, se a pessoa tiver placas de aterosclerose, essa inflamação pode fazer com que essas placas se rompam e culminem num infarto. Além disso, com o frio, o fígado passa a produzir substâncias do sangue que aumentam os riscos de coagulação”, conta.
Frio na cidade faz os paulistanos saírem à rua com suas roupas de inverno para se proteger – Foto: Paulo Pinto via Fotos Públicas
Algo que contribui com os fatores apresentados pelo especialista é a qualidade do ar, que tende a piorar nessa estação, o que faz com que pessoas com problemas respiratórios sejam mais suscetíveis. “Um detalhe que se percebe ao olhar o céu é a inversão térmica. Nos dias frios, a concentração de poluentes na nossa atmosfera é muito maior porque eles não são dissipados, principalmente em metrópoles e cidades industriais. Esses poluentes favorecem não só a infecção respiratória, como reduzem a concentração de oxigênio no nosso sangue”, explica.
Mesmo sendo mais comum em idosos, infartos e derrames também podem ocorrer em outras faixas etárias. Os principais sintomas são caracterizados por mal-estar súbito, perda de consciência e dificuldades em pronunciar as palavras e mexer pernas ou braços. O doutor alerta que “mesmo que esses sintomas tenham sido passageiros, durando apenas alguns minutos, eles ainda indicam que algo está acontecendo em algum vaso cerebral da pessoa. É algo que começa de forma súbita e passa a aumentar de intensidade, como um desconforto no tórax, indo para a região chamada vulgarmente de ‘boca do estômago’ e irradiando para os braços – isso pode indicar o início de um infarto do miocárdio”.
Segundo o médico, é preciso se agasalhar bem durante os dias frios, protegendo principalmente o rosto. No entanto, isso não é tão efetivo, já que a principal prevenção que pode resguardar uma pessoa é tomar a vacina da gripe. “Em temperaturas frias, você só consegue combater ficando em ambientes aquecidos, mas a maior proteção conhecida na atualidade é se vacinar contra a gripe, principalmente a população de mais de 65 anos. Com isso, a incidência de infarto é reduzida, pois impede a concentração e desenvolvimento do vírus influenza“, alerta. (ecodebate)

sábado, 27 de julho de 2019

‘Os ricos habitarão o norte mais frio. Os pobres, todos no calor’

Apartheid climático: ‘Os ricos habitarão o norte mais frio. Os pobres, todos no calor’, alerta relator da ONU.
O mundo está galopando em direção a um cenário de “apartheid climático”. Isso foi afirmado por um severo e preocupado relatório das Nações Unidas, apresentado nesta terça-feira pelo jurista australiano Philip G. Alston, relator especial da ONU sobre direitos humanos e pobreza extrema – que será formalmente discutido na próxima sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra – os desequilíbrios causados pelo sobreaquecimento global recaem principalmente sobre os habitantes dos países mais pobres, enquanto os ricos poderão se permitir evitar as piores consequências da emergência climática, uma grande parte da população do planeta corre o risco de perder não apenas os direitos de base à vida, a água, à alimentação e à moradia, mas também conquistas como a democracia ou o respeito dos direitos civis e políticos. “A raiva das comunidades afetadas, o crescimento das desigualdades, o agravamento da miséria para alguns grupos sociais – o relatório afirma – provavelmente estimularão a disseminação de respostas nacionalistas, xenófobas e racistas“.
Os desequilíbrios
“A mudança climática – afirma Alston – ameaça anular os últimos 50 anos de progresso no desenvolvimento, na saúde global e na redução da pobreza”.
A emergência climática, diz o estudo das Nações Unidas, fará com que 140 milhões de pessoas percam suas casas nos países em desenvolvimento até 2050; até 2030, 120 milhões passarão à condição de pobreza. Em suma, mesmo que os países mais pobres “sejam responsáveis apenas por uma pequena fração das emissões globais, 10%, terão que suportar 75% dos custos causados pela crise climática”. Enquanto os países mais ricos, neste cenário de “apartheid climático” graças aos seus recursos financeiros “conseguirão realizar os ajustes necessários para enfrentar temperaturas cada vez mais extremas”. E se isso acontecer, “os direitos humanos não serão capazes de resistir à tempestade que se aproxima”.
Os desiquilíbrios climáticos.
Prevenção insuficiente
Uma situação realmente crítica, causada pela resposta “claramente inadequada” dos estados nacionais, das empresas, das ONGs e das próprias Nações Unidas com relação à gravidade da ameaça climática, não alocando os recursos financeiros e “políticos” necessários para enfrentá-la. Os governos nacionais sempre desconsideraram as indicações da ciência, tanto que todos os tratados internacionais foram ineficazes: até mesmo o acordo de Paris de 2015 não é considerado à altura do desafio em curso. “Mesmo hoje – acrescentou o especialista em direito internacional – muitos países estão dando passos míopes na direção errada”, “e o que um ano atrás era considerado pela ciência um cenário catastrófico agora parece ser considerado uma perspectiva desejável”.
Na mira de Alston estão, com nome e sobrenome, o presidente dos EUA, Donald Trump, e o colega brasileiro Jair Bolsonaro. Trump deve ser condenado por ter “ativamente silenciado” a ciência sobre o clima, inserindo representantes da indústria em posições-chave, eliminando as regulamentações ambientais; o número um no Brasil, por seu lado, prometeu abrir para atividades agrícolas e de mineração a floresta tropical na Amazônia.
Entre os exemplos positivos, citados pelo relator da ONU, está a batalha pelo clima da ativista sueca Greta Thunberg, a greve mundial dos estudantes, o movimento Extinction Rebellion e as causas encaminhadas contra Estados e sociedades poluidoras. (ecodebate)

Onda de calor na Europa provocou temperaturas recordes em junho

Uma onda de calor atinge a Europa com temperaturas que chegam a 40°C.
Entre as áreas mais afetadas estão a Espanha, a França e países da Europa central. A massa de ar quente, procedente do Norte da África, provoca o calor. Apesar de ser verão, essas temperaturas são incomuns nesta época.
A onda de calor atingiu fortemente, em 26/06/19 a Alemanha, a Polônia e a República Tcheca, que registraram temperaturas recordes para o mês de junho.
Devido a uma tempestade sobre o Oceano Atlântico, a altas pressões sobre a Europa central e o leste e à massa de ar quente norte-africana, esses países são os mais afetados.
Coschen, em Brandemburgo, chegou a 38,6°C. Radzyn, na Polônia, atingiu 38,2°C. E em Doksany, na República Tcheca, os termômetros marcaram 38,9°C, recordes para o mês de junho.
A França também é atingida. São esperadas temperaturas em torno de 40°C em cidades como Paris e Lyon – grandes aglomerados urbanos que são mais vulneráveis às temperaturas elevadas.
O alerta laranja foi lançado, e o perigo faz recordar a onda de calor que assolou o país em 2003, levando à morte 15 mil pessoas.
As cidades estão se preparando para enfrentar as elevadas temperaturas. Paris e Lyon restringiram o trânsito, numa tentativa de reduzir os efeitos da poluição. Há associações em Toulouse que oferecem água aos desabrigados. Algumas escolas francesas suspenderam as aulas e exames importantes foram adiados.
Na Suíça, nem os Alpes escaparam, com temperaturas superiores a 30°C.
No nordeste da Espanha, as temperaturas atingiram 45°C em 28/06/19, o que levou as autoridades locais a alertar para o “risco elevado” de incêndios florestais.
“Em Portugal, a “influência marítima” de uma depressão atmosférica no Oceano Atlântico fez com que o ar ficasse mais úmido e menos quente”, disse Ilda Novo, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera. A chuva e as temperaturas amenas, no entanto, serão substituídas pelo calor a partir do fim de semana, que chegará ao interior com mais força – Beja, com 38°C, e Évora, com 37°C.
Crise climática
Embora eventos extremos como esse possam ocorrer naturalmente, especialistas afirmam que as ondas de calor ocorrerão mais frequentemente por causa da crise climática, levantando preocupações sobre a estabilidade do clima.
Segundo Stefan Rahmstorf, professor da Universidade de Potsdam, desde 1500 os cinco verões mais quentes registrados na Europa ocorreram no século 21, em consequência do aumento da temperatura média da Terra.
Rahmstorf disse ainda que as ondas de calor são resultado do aumento das emissões de gases de efeito estufa.
Previsão de temperaturas acima de 40°C em partes de Espanha e França, em meio a amplas advertências na Europa. (ecodebate)

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Lista da FAO de como reduzir o uso de plásticos no dia a dia

A FAO listou cinco maneiras de reduzir o uso de plásticos no dia a dia.
O plástico é tão comum em nossas vidas que nem percebemos mais — é conveniente, barato e onipresente. A infeliz verdade é que mais de 70% do plástico que usamos não é reciclado e grande parte desse lixo é arrastado de nossas praias para os oceanos ou é levado das ruas para os rios. Estima-se que, atualmente, 5 trilhões de unidades de plástico flutuem em nossos oceanos.
A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) listou cinco maneiras de reduzir o uso de plásticos no dia a dia.
Lixo plástico ao longo da costa de Cingapura.
O plástico é tão comum em nossas vidas que nem percebemos mais — é conveniente, barato e onipresente. A infeliz verdade é que mais de 70% do plástico que usamos não é reciclado e grande parte desse lixo é arrastado de nossas praias para os oceanos ou é levado das ruas para os rios. Estima-se que, atualmente, 5 trilhões de unidades de plástico flutuem em nossos oceanos.
A maioria dos plásticos tem dimensões visíveis, mas há outro tipo se infiltrando em nossos ecossistemas, o que pode facilmente passar despercebido. Trata-se dos microplásticos, ou pequenas partículas e fibras de plástico geralmente medindo menos de cinco milímetros.
Originalmente, os microplásticos resultavam da quebra física de plásticos maiores, como sacolas plásticas, embalagens de alimentos ou cordas. No entanto, mais recentemente, houve um aumento na fabricação de microplásticos, como pós e abrasivos domésticos ou industriais. Este fenômeno expandiu a ocorrência de plásticos em nossos ambientes e em nossos mares.
Os microplásticos já foram encontrados em vários tipos de alimentos humanos (por exemplo, cerveja, mel e sal de mesa). No entanto, a maioria dos estudos científicos examinou microplásticos em frutos do mar. Embora os filés de peixe e os peixes grandes sejam dois dos principais produtos de pesca consumidos, eles não são uma fonte significativa de microplásticos porque o intestino, onde a maioria dos microplásticos é encontrada, não é normalmente consumido.
Espécies de peixes pequenos, crustáceos e moluscos, por outro lado, são frequentemente comidos inteiros. Estas são áreas potenciais de preocupação quando se fala de nossa exposição alimentar a microplásticos e substâncias químicas associadas. Até agora, as implicações para a saúde dos microplásticos em humanos parecem insignificantes. No entanto, mais pesquisas precisam ser feitas.
Independentemente das descobertas, já sabemos que nosso uso de plástico está aumentando e que está prejudicando nossa vida marinha. Golfinhos e baleias estão sendo apanhados em redes de plástico descartadas; As tartarugas estão comendo sacos de plástico e morrendo de bloqueios dentro de seus sistemas digestivos. Animais marinhos estão perecendo em nosso lixo. Mas podemos virar a maré sobre o uso de plástico.
1. Evite plásticos de uso único
Noventa por cento do plástico que usamos em nossas vidas diárias é descartável ou de uso único: sacolas de compras, envoltório de plástico, sacos com zíper, tampas de xícara de café. Os plásticos de uso único são particularmente prejudiciais, considerando que um único saco plástico pode levar 1 mil anos para se degradar.
Esses plásticos também podem se degradar em microplásticos, pedaços menores que são frequentemente confundidos como alimento por mamíferos, aves ou peixes. Simplesmente perceber a prevalência de plástico em nossas vidas é o primeiro passo para substituir plásticos de uso único com opções reutilizáveis: sacos de pano, recipientes de armazenamento de vidro, talheres, canecas de cerâmica.
2. Reconhecer microplásticos disfarçados
Muitos cosméticos e produtos de beleza contêm “esfoliantes” que são, na verdade, pequenas contas de plástico. Esses microplásticos podem parecer inofensivos, mas é precisamente por causa de seu tamanho que eles podem deslizar pelas estações de tratamento de água e acabar no oceano, onde os peixes muitas vezes os confundem com comida. Experimente esfoliantes naturais, como aveia ou sal, em vez disso.
3. Leve uma garrafa de água reutilizável
Garrafas descartáveis ​​de água e refrigerante são alguns dos maiores culpados pelos resíduos plásticos. Mais de 480 bilhões de garrafas plásticas foram vendidas em todo o mundo em 2016. Se colocadas de ponta a ponta, estender-se-iam mais da metade do caminho até o sol! Beba em garrafas reutilizáveis. Em lugares onde a água é segura para beber, você pode facilmente encher sua garrafa.
4. Diga não a talheres de plástico, canudos, retire recipientes
Às vezes nos é dado plástico sem sequer pedirmos por isso. Recuse a oferta por canudo. Peça aos restaurantes para embalar sua comida em menos recipientes para levar. Diga-lhes que não precisa de talheres de plástico e use os seus próprios talheres reutilizáveis.
5. Reciclar
Isso pode parecer óbvio, mas a maioria dos plásticos que usamos não é reciclada. Onde a opção existir, assegure-se de que o plástico que você usa seja reciclado, mas lembre-se, é mais fácil prevenir o desperdício do que gerenciá-lo.
Promover a sustentabilidade dos oceanos, rios, pesca e práticas de piscicultura é uma prioridade para a FAO. Estima-se que 10% a 12% da população mundial dependa da pesca e da aquicultura para sua subsistência.
O consumo de peixe per capita subiu de 10 quilos nos anos 1960 para mais de 20 quilos em 2016, o que significa que a demanda por frutos do mar está aumentando, mesmo que os recursos sejam cada vez mais ameaçados. A conveniência do plástico realmente vale o futuro dos oceanos e da vida marinha? Vamos proteger nossos lagos, rios e oceanos da poluição e seus impactos na vida aquática.
Há tantos fatores, como a redução do plástico, que contribuem para um futuro seguro para os alimentos. Todos nós dependemos de alimentos seguros, saudáveis e nutritivos, e o peixe é um componente importante de dietas saudáveis e segurança alimentar em todo o mundo. A boa notícia é que nossas ações fazem a diferença. Todos nós podemos ajudar a criar um mundo #FomeZero até 2030.
Mudanças de hábitos em casa e no trabalho geram economia de dinheiro e preservam a vida marinha. (ecodebate)

Cientistas creem que mudanças climáticas são causadas pelo Homem

99% dos cientistas concordam que mudanças climáticas são causadas pelo Homem.
Apesar de vermos com certa frequência debates sobre o aquecimento global, com negacionistas (pessoas que negam as mudanças climáticas) argumentando que o fenômeno trata-se de uma farsa, o consenso de que o Homem é o principal responsável pelas mudanças climáticas é cada vez maior no meio científico. Quem afirma isso é o pesquisador John Cook, principal autor de um estudo de 2013 publicado na Environmental Research Letters.
De acordo com o estudo, 97% dos cientistas e pesquisadores sobre o clima concordaram que fatores humanos — exaustores de carros, chaminés de fábricas, desmatamento de florestas e outras fontes de gases — são responsáveis ​​pelo crescimento exponencial do aquecimento global. Esses cientistas foram quase unânimes nesse tema em 12.000 trabalhos acadêmicos publicados entre 1991 e 2011 e que continham as palavras "aquecimento global" ou "mudança climática global".
E parece que o número de cientistas concordantes com a interferência do Homem no clima aumentou ainda mais desde a publicação do estudo sobre o consenso. John Cook disse que, no final do período do estudo sobre os 97%, a concordância no meio científico de que o Homem está causando o aquecimento global chegou a 99%. Cook acredita que esse número pode ter aumentado ainda mais nos últimos anos, e agora está trabalhando em uma atualização do estudo de consenso.
Por que o negacionismo ainda é tão forte?
O contra-argumento tem sido político, e não científico. Em 2013, um dia após a publicação do artigo em questão, o então presidente dos EUA, Barack Obama, compartilhou a pesquisa em sua conta no Twitter. A publicação recebeu, então, grande atenção da mídia, bem como de figuras públicas como Elon Musk, Al Gore e John Oliver. Porém, hoje, no governo de Donald Trump, o Instituto de Empresas Competitivas (CPI, na sigla em inglês) está pressionando a NASA para remover uma referência ao estudo dos 97% de sua página na internet.
Curiosamente, o CPI recebeu financiamento do American Fuel & Petrochemical Manufacturers (associação norte-americana que representa os fornecedores de gasolina, diesel, combustível e petroquímicos) e do Instituto Charles Koch. Ambos têm muito a perder caso aconteça uma transição industrial de baixa emissão de carbono. Trump já acusou os cientistas climáticos de atuarem em prol de uma "agenda política", e o tom do debate não é muito diferente no Brasil.
Mas, no meio científico, os esforços têm sido direcionados a informar a população e alertar os governantes. “À medida que a expertise sobre ciência do clima aumenta, também aumenta o consenso de que o aquecimento global é causado pelo Homem”, escreveu Cook no blog Skeptical Science.
Urso polar sofre com o derretimento das calotas polares, sendo que os cientistas têm 99% de certeza que foram os humanos os causadores deste aquecimento global.
“A boa notícia é que o entendimento público do consenso científico está aumentando. A má notícia é que ainda há muito trabalho a ser feito, pois os negacionistas continuam a atacar persistentemente o consenso científico”. (yahoo)

terça-feira, 23 de julho de 2019

Lei que proíbe sacolas plásticas descartáveis começa a valer no Rio de Janeiro

Os supermercados do Rio de Janeiro estarão proibidos, a partir de 26/06/19 de oferecer sacos ou sacolas plásticas descartáveis aos clientes. De acordo com a Lei Estadual nº 8.006/18, publicada em 25/06/18, os estabelecimentos deverão oferecer sacolas confeccionadas com materiais recicláveis ou biodegradáveis. A determinação começa a valer nesta quarta-feira para grandes empresas. As pequenas e micro terão mais seis meses para se adaptar.
Para ajudar na conscientização da sociedade sobre o malefício que as sacolas plásticas trazem para o meio ambiente e incentivar a mudança de hábito no consumidor, a Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj) lançou hoje (25) a campanha Desplastifique Já!
O presidente da Asserj, Fábio Queiróz, afirma que a maioria dos supermercados vai cobrar pela sacola biodegradável “como forma de desincentivar o consumo”. Ainda segundo ele, a lei não determina a gratuidade.
“A partir de amanhã as sacolas plásticas brancas, convencionais, não estarão mais nas nossas lojas e serão substituídas por sacolas compostas por, no mínimo, 51% de recursos renováveis, como a cana-de-açúcar, com resistência de 4kg, 7kg ou 10kg, e que suportarão de 20 a 50 idas ao supermercado. Mas faço um apelo: adote uma bolsa para ir ao supermercado, de lona, de ráfia, essa é a solução”.
Segundo Queiróz, como parte da campanha educativa e regra de transição, os associados fizeram um acordo e irão ceder aos consumidores, de forma gratuita, as primeiras duas sacolas feitas de material reciclável durante o período de seis meses.
“As sacolas novas terão capacidade de ir e voltar aos supermercados de 20 a 50 vezes, não há mais motivos para colocar duas sacolas numa só compra, para toda compra consumir sacolas plásticas. O importante é a redução do consumo desse item”.
Ele acredita que, com isso, seja possível oferecer mais promoções aos consumidores. “A partir de amanhã, somente quem usar a sacola plástica pagará por ela, e isso tira do nosso custo operacional, fazendo com que a gente tenha mais promoções nas nossas lojas. O consumidor pode esperar mais promoções porque o custo com as sacolas plásticas reduzirá”.
Nova proposta
Na semana passada, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou novo regramento sobre a questão, mas o texto ainda aguarda sanção do governador Wilson Witzel.
O projeto de lei nº 69/19, de autoria do deputado Carlos Minc, prevê o recolhimento das sacolas descartáveis dos estabelecimentos comerciais, na proporção de 40% no prazo de um ano, e a substituição delas por outras que sejam compostas de pelo menos 51% de material de fonte renovável, como o bioplástico produzido de cana-de-açúcar ou milho.
O estado do Rio de Janeiro consome 4 bilhões de sacolas plásticas por ano. (ecodebate)

O bônus demográfico no Brasil e no mundo segundo as novas projeções da ONU

As transformações na dinâmica demográfica mundial foram espetaculares a partir do fim da Segunda Guerra, em meados do século passado. Primeiro caíram as taxas de mortalidade e depois as taxas de natalidade. Todos os países e regiões que passaram pela transição demográfica (TD) passaram também pela mudança da estrutura etária. No início da TD, quando as duas taxas estão altas, a pirâmide etária tem uma base larga e com alta presença de crianças e jovens. Após o início da redução da natalidade, a base da pirâmide se estreita e cresce o percentual de pessoas em idade economicamente ativa. Este momento favorável à elevação proporcional da força de trabalho e de redução do percentual de dependentes na população é conhecido como “bônus demográfico”. Porém, este período é transitório, pois, no longo prazo, aumenta o percentual de idosos na população e há um alargamento do topo da pirâmide.
O gráfico abaixo mostra o percentual População em Idade Ativa (PIA = 15-64 anos) na população mundial total e a Razão de Dependência (RD), representada pela seguinte relação entre os grupos etários (0-14 + 65 anos e mais)/(15-64)*100. Observa-se que a PIA representava 60% da população total no início da década de 1950 e caiu até 56,8% em 1967. Neste mesmo período a Razão de Dependência subiu de 64,9% para 75,8%. Ou seja, as condições demográficas não ajudavam a decolagem do desenvolvimento.
População em Idade Ativa (PIA) e Razão de Dependência (RD) no mundo: 1950-2100.
UN/Pop Division: World Population Prospects  2019 https://population.un.org/wpp2019/
Porém, a partir de 1968 a percentagem da PIA começa a crescer até atingir o valor máximo de 65,6% em 2015. Neste mesmo período, a RD caiu de 75,8% para o seu valor mais baixo de 52,4%. A janela de oportunidade estava se abrindo. Ou seja, entre 1968 e 2015 as condições demográficas foram extremamente favoráveis ao desenvolvimento econômico e à melhoria do padrão de vida das pessoas e das famílias. Este período é o auge do bônus demográfico mundial.
A partir de 2016, a percentagem da PIA em relação à população mundial iniciou uma trajetória de redução e deve atingir 61,8% no ano de 2065, enquanto a RD começou uma trajetória de aumento, devendo atingir a mesma taxa de 61,8% também em 2065. Portanto, a janela de oportunidade começou a se fechar. Contudo, o percentual da PIA – mesmo caindo em relação ao seu pico – continua mais elevado do que o percentual do início do bônus (56,8%) e o percentual da RD continua mais baixo do que o valor do início do bônus (75,8%). Assim, tendo uma visão generosa, o período 2016-2065 pode ser considerado como os momentos finais do bônus demográfico.
O bônus demográfico da população mundial termina irremediavelmente a partir de 2066 e, a partir daí, as condições demográficas vão se tornar muito desfavoráveis ao desenvolvimento socioeconômico, pois o percentual da PIA vai continuar caindo e terá um percentual menor do que aquele de 1950, sendo que, em termos absolutos, a PIA vai diminuir a partir de 2093. Neste mesmo período a RD vai subir e apresentar um percentual maior em 2100 do que o percentual que havia em 1950. Ou seja, a partir de 2066, o percentual de pessoas em idade de trabalhar vai diminuir significativamente, enquanto aumentará o percentual de pessoas dependentes, especialmente de idosos não só os acima de 65 anos, mas também aqueles com mais de 80 anos.
O caso brasileiro segue o mesmo padrão, mas o nível da PIA e da RD e as datas que estas duas curvas se cruzam são diferentes. O bônus demográfico no Brasil é, em termos temporais, mais curto, mas mais profundo, conforme mostra o gráfico abaixo.
A PIA brasileira representava 55,5% da população total no início da década de 1950 e caiu até 53,2% em 1964. Neste mesmo período a RD subiu de 80,3% para 88%. Ou seja, as condições demográficas atuavam no sentido contrário aos indicadores de desenvolvimento. Porém, a partir de 1965 a percentagem da PIA começou a crescer até atingir, em 2019, o valor máximo de 69,7%. Neste mesmo período, a RD caiu de 88% para o seu valor mais baixo de 43,4%. A janela de oportunidade se abriu entre 1965 e 2019, pois as condições demográficas favoreceram o desenvolvimento econômico e à melhoria do padrão de vida das pessoas e das famílias. Este foi o período áureo do bônus demográfico brasileiro.
População em Idade Ativa (PIA) e Razão de Dependência (RD) no Brasil: 1950-2100.
UN/Pop Division: World Population Prospects 2019 https://population.un.org/wpp2019/
A partir de 2020, a percentagem da PIA em relação à população brasileira total inicia uma trajetória de redução e deve atingir 62% no ano de 2053, enquanto a RD começou uma trajetória de aumento, devendo atingir a mesma taxa de 62% também em 2053, quando as duas curvas se invertem. Mas no caso brasileiro, o valor absoluto da PIA que era de 29,9 milhões de pessoas em 1950 e atingiu 148,1 milhões em 2020, deve apresentar o seu valor máximo, de 153 milhões de pessoas, em 2034, iniciando um decrescimento a partir de 2035. A população brasileira que era de 53,9 milhões em 1950, atingiu 212,6 milhões em 2020 e deve atingir o pico em 2045, com 229,6 milhões de pessoas. Portanto, a janela de oportunidade no Brasil deve se fechar a partir de 2034, quando houver redução absoluta no número de habitantes em idade de trabalhar.
No caso brasileiro, o bônus demográfico termina em 2034, mas as condições demográficas vão ficar ainda mais desfavoráveis a partir de 2053 quando as duas curvas se inverterem e o percentual da PIA vai ficar menor do que o percentual da RD. No ano de 2100 o percentual da PIA será menor e o percentual da RD será maior do que os respectivos percentuais prevalecentes em 1950. O Brasil vai passar por um rápido e profundo processo de envelhecimento e terá, em 2100, 40,1% de pessoas com 60 anos e mais, 34% de pessoas com 65 anos e mais e 15,6% de pessoas com 80 anos e mais.
Todos estes números chamam a atenção para a urgência de se aproveitar os momentos finais do bônus demográfico brasileiro. O país tem apenas 15 anos para ficar rico (com alto Índice de Desenvolvimento Humano) antes de envelhecer, pois não existe exemplo de nação que atingiu alto padrão de vida depois de ter uma estrutura etária envelhecida.
A crise econômica que teve início em 2014 e se prolonga até os dias de hoje veio no pior momento possível, pois jogou no desemprego e no subemprego um grande contingente de trabalhadores que poderiam estar contribuição para a riqueza da nação. A pesquisa PNADC, do IBGE, indica que a taxa composta de subutilização da força de trabalho (que mede o percentual de pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial) foi de 25% no primeiro trimestre de 2019, representando 28,3 milhões de pessoas subutilizadas no Brasil. Isto quer dizer que o Brasil está desperdiçando o bônus demográfico e deixando de dar o salto necessário no nível de desenvolvimento enquanto as condições demográficas ajudam.
Caso o Brasil não consiga reverter o quadro de estagnação e caso não consiga aproveitar os momentos finais do bônus demográfico, pode ficar eternamente preso na “armadilha da renda média”. O “Brasil do futuro” poderá nunca ser alcançado. Se a nação brasileira já apresenta dificuldades de progredir quando a demografia ajuda, terá dificuldade muito maiores quando a demografia jogar contra.
O fim do bônus demográfico brasileiro pode trazer barreiras intransponíveis, caso o país não se prepare para a nova realidade do envelhecimento populacional que avança, ano a ano, mas que vai recrudescer na segunda metade do século XXI. (ecodebate)

domingo, 21 de julho de 2019

Água, ar, alimentos, saúde, lazer

A Alemanha tem um governo de direita e Portugal um de esquerda, mas ambos os países tem bons exemplos de cuidados com a natureza, tais como os cuidados com as florestas na Alemanha e as praias com poluição zero em Portugal. Existem coisas que estão acima das ideologias: todos precisamos de água, de ar, de alimentos, de saúde, de lazer, seja qual for nossa preferência política.
Você pode ser contra ou a favor da Lava Jato, pode ser a favor do Lula, do Bolsonaro ou de nenhum, mas se a água que você bebe for contaminada, você vai padecer do mesmo transtorno de todos que beberem da mesma água, mesmo que eles pensem muito diferente de você.
Se o ar estiver poluído aumentam as doenças respiratórias, as alergias e as doenças auto-imunes, entre outras. Num dos paraísos brasileiros, que é Poços de Caldas (sul de Minas Gerais), entre montanhas, os moradores da cidade tem tido incidência maior de tumores devido a fábrica de alumínio que libera micropartículas no ar, o que mesmo sem ser uma poluição visível, é bastante prejudicial à saúde.
Onde vamos em busca de lazer, de descanso, nas férias e feriadões? Para a serra, para a praia, em busca de descanso para o corpo e a alma, de preferência com alguma vista que faça bem aos olhos, com a natureza em alguma paisagem. Lazer também é uma necessidade de todos, essencial para repor energias, e isso não vai ser possível em meio ao cimento ou ao tumulto de nossas ruas e avenidas.
A nossa saúde precisa de sol, de espaços abertos para bem respirar, de alimentos saudáveis, o que não será o caso daqueles contaminados por agrotóxicos. Pois no Brasil neste ano foram liberados 169 novos agrotóxicos, dos quais 26 % já foram banidos na União Europeia e 48% são classificados como altamente tóxicos. Além de contaminarem as lavouras e os alimentos ingeridos também escoam para os rios e para a água que será depois captada para bebermos.
Quer você tenha votado no governo ou não, seremos todos afetados da mesma maneira. Se não zelarmos pela saúde do ambiente em que vivemos, será na nossa própria saúde a consequência de toda essa negligência. Não se trata de uma questão ideológica, portanto, mas sim de saúde, de sobrevivência, de cuidado conosco mesmo e com os nossos filhos.
Cada um tem o direito de defender a ideologia que quiser, de votar em quem quiser, e justamente pelo fato de que governos só existem se tiverem apoio popular, cabe a todos nós manifestarmos nosso interesse na qualidade da água, do ar, dos alimentos, da nossa saúde e inclusive do nosso lazer, também essencial para a qualidade de vida.
Cobre desse governo e de todos os demais o cuidado com você. (ecodebate)