terça-feira, 15 de novembro de 2011

GM produz 800 modelos por ano

Fábrica secreta da GM produz 800 modelos por ano
Numa área em local não revelado em São Caetano do Sul, no ABC paulista, a General Motors tem uma fábrica de protótipos que produz 800 carros ao ano, todos modelos inéditos. Eles são testados no campo de provas em Indaiatuba (SP) e depois destruídos, norma adotada por todas as montadoras para os carros de teste. Parte do material é reciclada pela própria montadora e parte é vendida para a indústria da sucata.
Segundo Pedro Manuchakian, vice-presidente da GM América do Sul, a fábrica de protótipos desenvolve componentes e ferramental para a produção e simula uma linha de montagem completa. "É como se fosse uma fábrica em miniatura, mas o carro é de tamanho natural."
Este ano serão montados cerca de 700 protótipos na unidade, ante número recorde de 800 em 2010. Antes, a quantidade variava de 500 a 600. A unidade secreta da GM tem 150 engenheiros e 200 técnicos e todos assinam termo de confidencialidade para trabalhar no local.
A Volkswagen tem duas fábricas em São Bernardo do Campo (SP) voltadas ao desenvolvimento de novos veículos, uma específica para protótipos e outra chamada de fábrica-piloto, que simula as etapas da produção muito antes de o carro ir para a linha de montagem final.
A fábrica de protótipos da Volks já existia na época da Brasília, período em que a construção de modelo para teste era totalmente manual. A partir do Gol, lançado nos anos 80, a unidade passou a receber mais recursos tecnológicos e hoje é considerada "top" dentro da organização, informa Mauro José Figueiredo, gerente da fábrica de protótipos e funcionário da montadora há 33 anos.
Hoje, a unidade especial produz em média 100 a 200 carros por ano. Recentemente, a fábrica adquiriu equipamento de solda a laser que não custa menos de R$ 3 milhões e montou uma cabine de lixamento avaliada em R$ 300 mil. Com controle eletrônico de catracas e seguranças dia e noite, só 150 engenheiros e técnicos têm acesso à unidade.
A unidade-piloto, para onde seguem os protótipos, recebeu R$ 15,7 milhões em investimentos nos últimos dois anos. Celso Placeres, diretor da fábrica-piloto da Volkswagen, comanda equipe de 70 profissionais, os únicos com acesso ao prédio de 3,5 mil metros quadrados no complexo da Via Anchieta.
Cinco anos após sua instalação em Porto Real (RJ), em 2001, a PSA Peugeot Citroën criou o que chama de ateliê protótipo - para a fase de desenvolvimento - e ateliê-piloto - uma pequena ilha de produção. O projeto consumiu R$ 7 milhões, segundo Silvio Tedesque, gerente de protótipos da companhia. Os protótipos são construídos não só na fase de criação de um carro novo, mas também quando o modelo em linha passa por reestilizações. Apenas 26 profissionais têm acesso direto aos ateliês da PSA no Rio. Outras, precisam de autorização temporária.
Para cada novo projeto, são montados até 35 protótipos, número que é maior quando o veículo tem características muito diferentes dos demais, como foi o caso da picape Peugeot Hogar, lançada no ano passado.
A Renault mantém um galpão reservado para protótipos na fábrica em São José dos Pinhais (PR). O Duster, utilitário-esportivo lançado no fim de 2010, teve pelo menos 45 unidades construídas apenas para os testes de engenharia.
As fabricantes de caminhões também têm unidades de protótipos. Só para a introdução da tecnologia que reduz emissões de poluentes, chamada de Euro V e que será obrigatória em todos os caminhões a partir de janeiro, a Mercedes-Benz construiu 100 protótipos na área especial mantida em São Bernardo do Campo. Como no caso dos automóveis, todos serão descartados.
A Ford tem oficina de protótipos de automóveis desde 1984 em Tatuí (SP), onde está seu campo de provas. O gerente da unidade, Fábio Lang, diz que, com os protótipos é possível "corrigir eventuais falhas e evitar problemas de qualidade futuros". (OESP)

Nenhum comentário: