terça-feira, 29 de novembro de 2011

Tecnologia para emitir pouco

Empresa diz que está no limite da tecnologia para emitir pouco
Em um ano, a CSA produziu 3 milhões de toneladas de aço. A empresa diz ter emitido 1,9 toneladas de CO2 para cada tonelada de aço produzida. A produção será aumentada gradativamente até a capacidade plena de 5 milhões de toneladas de aço bruto por ano. A CSA diz que a intensidade de emissão será reduzida a 1,65 toneladas de CO2 por tonelada de aço. Nesse cenário, a emissão anual chegaria a 8,2 milhões de toneladas, aumento de 72% em relação ao total de emissões do município em 2005.
O diretor de Sustentabilidade da CSA, Luiz Cláudio Castro, diz que a margem para mitigar esse problema é pequena. 'Não há como produzir aço sem gerar CO2, não existe civilização sem aço e estamos no limite da tecnologia, com a planta mais moderna e o mínimo possível de emissão.'
Como contraponto, ele cita a China, onde siderúrgicas emitiriam até 2,3 toneladas de CO2 por tonelada de aço. 'Em termos globais, teremos redução de mais de 3 milhões de toneladas de CO2 por ano.' O diretor diz que a empresa participa do reflorestamento de 164 hectares no parque da Pedra Branca e pretende trocar o gás natural pelo gás de lixo gerado no aterro sanitário de Seropédica, mas reconhece que o efeito mitigador é pequeno. O caminho, avalia Castro, é mudar o padrão de emissões no setor de transporte rodoviário.
A CSA foi multada duas vezes por lançar material particulado e é acusada pelo Ministério Público de crimes ambientais. A empresa afirma que esse material é 'inerte e não inalável'. (OESP)

Nenhum comentário: