segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Pesquisa projeta período de 2018-2022 como anormalmente quente

Aquecimento Global: Pesquisa projeta o período de 2018-2022 como anormalmente quente.
O período até 2022 poderá registar temperaturas ainda mais elevadas do que o esperado, com anos "anormalmente quentes", segundo um estudo baseado num novo método de previsão.
A onda de calor mundial deste verão faz de 2018 um ano particularmente quente. Como acontecerão nos próximos anos, de acordo com um estudo liderado por Florian Sévellec, pesquisador do CNRS no Laboratório de Física Oceânica e Sensoriamento Remoto (LOPS) (CNRS / IFREMER / IRD / Universidade de Brest) e na Universidade de Southampton, e publicado na edição de 14 de agosto de 2018 da Nature Communications. Usando um novo método, o estudo mostra que, no nível global, 2018–2022 pode ser um período ainda mais quente do que o esperado com base no atual aquecimento global.
O aquecimento causado pelas emissões de gases do efeito estufa não é linear: parece ter caído no início do século XXI, um fenômeno conhecido como hiato do aquecimento global. Um novo método para prever temperaturas médias, no entanto, sugere que os próximos anos provavelmente serão mais quentes do que o esperado.
Até 2022 vamos ter anos “anormalmente quentes”.
O sistema, desenvolvido por pesquisadores do CNRS, da Universidade de Southampton e do Royal Netherlands Meteorological Institute, não usa técnicas de simulação tradicionais. Em vez disso, aplica-se um método estatístico para pesquisar simulações climáticas do século XX e XXI feitas usando vários modelos de referência 1encontrar ‘análogos’ das condições climáticas atuais e deduzir possibilidades futuras. A precisão e a confiabilidade desse sistema probabilístico provaram ser pelo menos equivalentes aos métodos atuais, particularmente com o propósito de simular o hiato do aquecimento global no início deste século.
O novo método prevê que a temperatura média do ar pode ser anormalmente alta em 2018-2022 – maior do que os números inferidos apenas do aquecimento global antropogênico. Em particular, isso se deve a uma baixa probabilidade de eventos frios intensos. O fenômeno é ainda mais saliente no que diz respeito às temperaturas da superfície do mar, devido a uma alta probabilidade de eventos térmicos, que, na presença de certas condições, podem causar um aumento na atividade das tempestades tropicais.
Uma vez que o algoritmo é “aprendido” (um processo que leva alguns minutos), as previsões são obtidas em alguns centésimos de segundo em um laptop. Em comparação, os supercomputadores exigem uma semana usando métodos tradicionais de simulação.
No momento, o método só produz uma média geral, mas os cientistas agora gostariam de adaptá-lo para fazer previsões regionais e, além das temperaturas, estimar as tendências de precipitação e seca.
Ilustração que descreve a forte probabilidade de temperaturas anormalmente quentes para o período de 2018-2022, com base no sistema de previsão climática inter-anual PROCAST (PRObailistic ForeCAST). (ecodebate)

Nenhum comentário: