domingo, 23 de setembro de 2018

Como explicar a onda de calor no Hemisfério Norte?

Desde a semana passada, uma onda de calor tem afetado o Hemisfério Norte quebrando os recordes de temperatura em muitas cidades da Europa, dos Estados Unidos e do Japão. Além do calor, o tempo seco vem favorecendo a ocorrência de incêndios, principalmente na Grécia onde pelo menos 91 pessoas morreram.
Figura 1 - Incêndio na Califórnia.
Altas temperaturas
Próximo ao Círculo Ártico na cidade de Kvikkjokk na Suécia, foram registradas temperaturas de até 33°C, mais de 15°C acima da normal climatológica, de acordo com o Instituto Meteorológico Norueguês. Na Sibéria russa, as temperaturas chegaram a 37.2°C na cidade de Tompo no dia 9 de julho e 35.5°C em Vanara no dia 26 de julho, de acordo com a Agência Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA). Em outras partes da Europa, uma onda de calor se moveu desde o dia 27 de julho da Islândia e das ilhas britânicas em direção à França, mas não foram registrados recordes de temperatura até o momento.
No Japão, dezenas de pessoas morreram devido ao calor intenso, as temperaturas bateram recorde de mais de 40°C na cidade de Kamagaya.
A Califórnia (EUA) também tem sofrido com altas temperaturas, inclusive foi registrado um recorde de 48.9°C no dia 6 de julho na cidade de Chino, oeste da Califórnia, e no dia seguinte de 47.2°C em Van Nuys, nos arredores de Los Angeles. Além disso, os californianos enfrentaram o calor sem energia elétrica devido à demanda excessiva de energia para ligar o ar condicionado, segundo o the Washington Post.
Próximos dias
A previsão para os próximos dias é que as altas temperaturas se mantenham sobre os Estados Unidos e sobre a Europa, sendo que pelo mapa a seguir, gerado pelo modelo Norte Americano GFS é possível identificar regiões de até 38ºC em Portugal e na Espanha no dia 04 de agosto.
Figura 2 - Previsão de temperatura máxima para o dia 04 de agosto do modelo GFS.
Incêndios na Grécia
O tempo quente e seco foi um gatilho para os incêndios na Grécia, 91 pessoas morreram até o momento, segundo o corpo de bombeiros grego. Foi considerado um dos incêndios mais mortíferos da última década e a cidade de Mati foi devastada pelas chamas na noite de segunda-feira (23). Os principais focos de incêndios foram nas cidades de Kineta, Mati e entre Egira e Kiato, como ilustra os pontos em vermelho do mapa abaixo da NASA.
A Grécia não sofria tanto com os incêndios florestais desde 2007, ano em que as chamas mataram 77 pessoas no Sul do país, segundo a Agência Nacional de Proteção Civil da Grécia.
Figura 3 - Focos de queimadas em vermelho.
Por que tão quente?
A combinação de altas temperaturas da superfície do mar e a fase positiva do Modo Anular Norte intensificam a atuação dos sistemas de alta pressão sobre os continente do Hemisfério Norte e atuam alterando a posição das correntes de vento que ficam aos 10 km de altura e circulam ao redor do globo.
Esta alteração do posicionamento das correntes de vento que sopram de oeste para leste, chamadas de correntes de jato, impedem que frentes frias e massas de ar polares adentrem os continentes, gerando assim uma situação de bloqueio devido a persistência de um sistema de alta pressão sobre a França e Alemanha (esse sistema de alta pressão está indicado na figura abaixo pela letra A).
Na imagem abaixo, a linha azul ilustra a posição média da corrente de jato para o mês de julho enquanto que a linha vermelha ilustra a posição média da corrente de jato ao longo do mês de julho de 2018. A corrente de vento este ano está mais deslocada para o norte, próximo ao Ártico.
Figura 4 - Corrente de jato (200hPa) e sistemas de pressão em superfície. (climatempo)

Nenhum comentário: