quinta-feira, 11 de abril de 2019

O aquecimento global interrompe a recuperação de recifes de coral

Os danos causados à Grande Barreira de Corais pelo aquecimento global comprometeram a capacidade de recuperação de seus corais, de acordo com nova pesquisa publicada na revista Nature.
Os corais mortos não fazem bebês”, disse o principal autor Professor Terry Hughes, Diretor do Centro ARC de Excelência para estudos do recife coral em James Cook University (JCU). “O número de novos corais instalados na Grande Barreira de Corais declinou em 89% após a perda sem precedentes de corais adultos do aquecimento global em 2016 e 2017”.
O estudo único mediu quantos corais adultos sobreviveram ao longo do maior sistema de recifes do mundo após o estresse térmico extremo, e quantos novos corais produziram para reabastecer a Grande Barreira de Corais em 2018. A perda de adultos resultou em um colapso no reabastecimento de corais em comparação com os níveis medidos em anos anteriores antes do branqueamento em massa de corais.
“O número de larvas de corais que são produzidas a cada ano, e para onde viajam antes de se estabelecerem em um recife, são componentes vitais da resiliência da Grande Barreira de Corais. Nosso estudo mostra que a resiliência dos recifes agora está severamente comprometida pelo aquecimento global”, disse o coautor, professor Andrew Baird.
“O maior declínio no reabastecimento, uma queda de 93% em comparação aos anos anteriores, ocorreu no coral dominante de ramificação e de mesa, o Acropora. Como adultos, esses corais fornecem a maior parte do habitat coral tridimensional que suporta milhares de outras espécies”, disse ele.
Corais em crise: Quase um terço das espécies de corais, como a Purites pukoensis (imagem) está ameaçada de extinção pela mudança climática e outros danos provocados pelo homem.
Até agora, a Grande Barreira de Corais sofreu quatro eventos de branqueamento em massa devido ao aquecimento global, em 1998, 2002 e consecutivos em 2016 e 2017. Os cientistas preveem que a lacuna entre pares de eventos de branqueamento de corais continuará a encolher como o aquecimento global se intensifica.
“É altamente improvável que possamos escapar de um quinto ou sexto evento na próxima década”, disse o coautor Professor Morgan Pratchett.
“Costumávamos pensar que a Grande Barreira de Corais era grande demais para falhar – até agora”, disse ele.
“Por exemplo, quando uma parte foi danificada por um ciclone, os recifes circundantes forneceram as larvas para recuperação. Mas agora, a escala de danos severos dos extremos de calor em 2016 e 2017 foi de quase 1500 km – vastamente maior que uma trilha ciclônica”.
O professor Pratchett acrescentou que os recifes do sul que escaparam do branqueamento ainda estão em muito boas condições, mas estão muito longe para reabastecer os recifes mais ao norte.
El Niño gerou o branqueamento de recifes de corais também no Brasil, como esse em Porto Seguro/BA.
“Há apenas uma maneira de resolver esse problema”, diz Hughes, “e isso é atacar a causa raiz do aquecimento global, reduzindo as emissões líquidas de gases do efeito estufa a zero o mais rápido possível”. (ecodebate)

Nenhum comentário: