sábado, 9 de janeiro de 2010

Aquífero Guarani: Um dos maiores aquíferos do mundo a ser preservado

Um deserto pré-histórico deu origem à região do aquífero guarani. Os depósitos arenosos trazidos pelos ventos formaram extenso campo de dunas recoberto por um episódio de vulcanismo intra-continental do Planeta. A lava solidificada originou a Serra Geral, uma capa protetora do Aquífero Guarani. Esse reservatório de proporções gigantescas de água subterrânea é formado por derrames de basalto ocorrido entre 200 e 132 milhões de anos. Ocupa uma área de 1,2 milhões de Km², estendendo-se pelo Brasil (840.000 Km2), Paraguai (71.700 Km²), Uruguai (58. 500 km²) e Argentina (225.500 Km²). Etimologicamente, o aquífero significa: aqui=água; fero=transfere; ou do grego suporte de água. Batizado primeiramente de aquífero Botucatu (hoje o nome de um reservatório menor, em São Paulo), o Guarani foi mapeado nos anos 70, quando companhias petrolíferas fizeram prospecção dos terrenos em que ele se encontra. O termo Guarani foi sugerido pelo geólogo Danilo Antón em uma conversa informal com os colegas Jorge Montalo Xavier e Ernani Francisco da Rosa Filho, geólogos da Universidad de la Republica do Uruguai e Universidade Federal do Paraná, respectivamente , em 1994, e aprovado com o respaldo dos quatro países em uma reunião em Curitiba, em maio de 1996. O objetivo era unificar a nomenclatura das formações geológicas que formam o aquífero, e que recebem nomes diferentes nos quatro países e, simultaneamente, prestar uma homenagem aos índios Guaranis que habitavam a área de sua ocorrência, na época do descobrimento da América. A espessura total do Guarani varia de valores superiores a 800 metros até a ausência completa da espessura média aquífera de 250 metros e porosidade efetiva de 15%. Estima-se que as reservas permanentes do aquífero (água acumulada ao longo do tempo) sejam da ordem de 45.000 km³. O Aquífero Guarani constitui-se em um importante reserva estratégica para o abastecimento da população, para o desenvolvimento das atividades econômicas e do lazer. Sua recarga natural anual (principalmente pelas chuvas) é de 160 km³/ano, sendo que desta, 40 km³/ano constitui o potencial explotável sem riscos para o sistema aquífero. Os estados da Federação contemplados com o aquífero são: São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, minas Gerais, Paraná, S. Catarina, e Rio Grande do Sul. AQUÍFERO GUARANI – UMA BACIA GIGANTESCA
1 - Além do Guarani, sob a superfície de São Paulo, há outro reservatório, chamado Aquífero Bauru, que se formou mais tarde. Ele é muito menor, mas tem capacidade suficiente para suprir as necessidades de fazendas e pequenas cidades. 2 - O líquido escorre muito devagar pelos poros da pedra e leva décadas para caminhar algumas centenas de metros. Enquanto desce, ele é filtrado. Quando chega aqui está limpinho. 3 - Nas margens do aquífero, a erosão expõe pedaços do arenito. São os chamados afloramentos. É por aqui que a chuva entra e também por onde a contaminação pode acontecer. 4 - A cada 100 metros de profundidade, a temperatura do solo sobe 3ºC. Assim, a água lá do fundo fica aquecida. Neste ponto ela está a 50 ºC. As águas são de boa qualidade para o abastecimento público e outros usos, sendo que em sua porção confinada, os poços têm cerca de 1.500 metros de profundidade e podem produzir vazões superiores a 700 m³/h. Em 02/06/2009 a Agência Brasil publicou que técnicos concluíram o mapeamento do Aquífero Guarani. A ação dos agrotóxicos na lavoura e a falta de saneamento básico em regiões metropolitanas onde se localiza o Aquífero Guarani podem sobrecarregar o manancial que tem cerca de 7.500 poços que abastecem centenas de cidades. Na região do centro da cidade de Ribeirão Preto, em 30 anos o aquífero baixou 60 metros. O artigo afirma que esses foram alguns dos problemas constatados pelo mapeamento da área, uma das fases do Projeto de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aquífero guarani, que começou em 2003 e teve os resultados apresentado em fins de maio durante a 21ª Reunião do Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH), em Brasília. Vulnerabilidade do Aquífero Guarani quanto à contaminação O Aquífero Guarani sendo constituído por arenitos relativamente permeáveis, devido à sua origem fundamentalmente eólica, apresenta na sua zona de recarga a maior vulnerabilidade à contaminação. A vulnerabilidade do guarani diminui à medida que a formação que a formação se aprofunda e adquire condições de confinamento, subjacente aos basaltos da Formação Serra Geral. Um dos principais problemas existentes com relação à exploração das águas do Guarani é o risco de deterioração do aquífero, em decorrência do aumento dos volumes explotados e do crescimento das fontes de poluição pontuais e difusas. Diretrizes de utilização sustentável e proteção do Aquífero Guarani foram traçadas e tem como premissas o conhecimento de suas reservas, o diagnóstico e a manutenção da qualidade de suas águas, a caracterização e orientação sobre seu consumo atual e futuro. No Sistema Aquífero Guarani – SAG – é considerado um aspecto importante o cálculo de reservas e a disponibilidade hídrica do sistema. O volume de água contida no SAG é atualmente estimado em 33.000 km³ de Reserva Drenável e 51 km³ de Reserva Compressível, totalizando 33.051 km³. Pesquisas asseguram que para cenários futuros devem ser utilizados valores consolidados que busquem a sustentabilidade. Serão necessários a quantificação de recarga, a quantificação da interconexão entre aquíferos e quantificação da interconexão água superficial e subterrânea (rede integrada pluviométrica, fluviométrica e hidrogeológica). Maiores aquíferos do mundo Aquífero - Área (km²) – Transnacionalidade - Ranking Área Arenito Núbia - 2 milhões - Líbia, Egito, Chade, Sudão – 1º Grande Bacia Artesiana - 1,7 milhão – Austrália – 2º Guarani - 1,2 milhão - Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai – 3º Bacia Murray - 287 mil – Austrália – 4º KalaharijKaroo - 135 mil - Namíbia, Botswana, África do Sul – 5º Digitalwaterway Vechte - 7,5 mil - Alemanha, Holanda – 6º Praded – 3,3 mil - República Tcheca, Polônia – 7º SlovakKarst – Aggtelek - Não informada - República Eslováquia, Hungria - ? Esgotamento dos lençóis freáticos. Alguns exemplos de superexploração dos recursos naturais no mundo estão relacionados a seguir, e serve de alerta para a gestão de Aquíferos. O aquífero de Ogallala, no Arizona, nos Estados Unidos, pode desaparecer: já perdeu o equivalente a 18 vezes o volume do rio Colorado por causa da irrigação de áreas extensas na agricultura da região das Brandes Planícies. Na Líbia, a exploração dos lençóis subterrâneos para irrigar as plantações já secou muito dos poços de onde se extrai água. Na Tailândia, a retirada da água subterrânea faz algumas áreas da capital, Bangcoc, afundarem (recalcarem) 14 centímetros por ano. É que as rochas do subsolo que servem de sustentação diminuem de tamanho quando ficam secas, e o solo cede. Para piorar, como a região é de litoral, o espaço deixado pela água doce retirada é preenchido por água salgada, inutilizando os lençóis subterrâneos para o consumo. Na Indonésia, a exploração desenfreada dos aqüíferos fez o mar avançar em torno de 15 quilômetros para o interior. Água no Senado Em 28/10/09, foi instalada a Subcomissão Permanente de Água da Comissão de Meio Ambiente no Senado Federal. Presidida pela senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), tem como objetivo aumentar as discussões acerca da proteção de rios e aquíferos nacionais. “O tema água vem ganhando cada vez mais importância no cenário mundial e o Brasil precisa participar intensivamente das discussões em torno do tema”, destacou Marisa. “Temos certeza de que vamos fazer um bom trabalho para a eliminação de problemas que temos em relação à questão da água”, afirma a senadora. Os senadores devem escolher um redator para dar continuidade aos trabalhos, que já se iniciaram em discussões anteriores à instalação da subcomissão. O ponto de partida para a proposta foi o relatório de Istambul, em março. Os primeiros temas a serem tratados deverão ser a regulamentação dos rios transfronteiriços e do Aquífero Guarani. Esperamos que a Subcomissão Permanente de Água possa contribuir sobremaneira com o intuito de tornar o uso do Aquífero Guarani de forma sustentável.

Nenhum comentário: