terça-feira, 23 de março de 2010

Produtores rurais colaboram para a preservação ambiental

O diretor geral do Centro Mundial Agroflorestal, Dennis Garrity, alega que agricultores estão protegendo e plantando árvores espontaneamente. Uma pesquisa apresentada no 2° Congresso Mundial Agroflorestal - realizado no mês de agosto, em Nairobi, no Quênia, apontou através de imagens por satélite que há uma grande cobertura de árvores em quase metade das áreas de cultivo do mundo dados revelam que maiores coberturas se concentram na América Central, no sudeste da Ásia e na América do Sul. Confirmando esta informação, o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), Ademar Silva Junior, diz que 88% do Pantanal estão preservados pelo produtor rural, o que comprova a preocupação do setor com o meio ambiente. "Esse é o tema do futuro, necessitamos da natureza preservada para a manutenção da vida e produção de alimentos. O produtor tem a responsabilidade de continuar produzindo, sem deixar de cuidar de suas águas e reservas, matas ciliares e até mesmo o ar", ressalta Ademar. Muitas leis são criadas para incentivar os produtores no plantio e reflorestamento de árvores. E em setembro de 1965, foi criado o Código Florestal Brasileiro, que não atende as necessidades de preservação. Junto a ambientalistas, eles lutam para que uma reformulação seja feita. "O produtor rural tem dificuldade para entender a legislação ambiental, não por incapacidade, mas porque precisaria compreender mais de 16 mil normas para desenvolver sua atividade legalmente", explica a assessora de meio ambiente e recursos hídricos da Famasul, Janaína Pickler. Ainda afirma que, é do interesse deles que o meio ambiente esteja preservado e que não seriam necessárias tantas leis, pois o produtor e o agricultor querem preservar espontaneamente as florestas, mas as regras têm dificultado em muitos casos. Pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) mostra que se o País levasse à risca sua legislação, não existiria terra suficiente para produzir e que, as áreas protegidas somam 71% do território brasileiro, o que resulta em 6.059.526 km². A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) propõe cinco pontos para o código em vigor: pagamento por serviços ambientais, respeito a áreas consolidadas com produção de alimentos, desmatamento zero e quantificação de áreas de preservação permanente orientadas por informações da ciência. O papel das florestas no desenvolvimento da agricultura foi um dos temas discutidos no congresso. "O Brasil mudou muito, hoje é a maior potência da América do Sul e uma das maiores do mundo em muitos segmentos nos quais atua. Isso tem feito com que o setor agropecuário, que é a mola propulsora da nossa economia e o principal gerador de empregos, necessitasse conscientizar o produtor rural para o empreendedorismo e responsabilidade social", explica o presidente da Famasul. O "verde" conquistou status de importância nas pautas de todo o mundo, predominando em discussões e decisões de todos os setores. É uma busca incessante de resultados e promessas, e os trabalhadores rurais têm servido de ferramenta essencial na preservação desta cor.

Nenhum comentário: