segunda-feira, 25 de julho de 2011

Tratamentos de Água Poluída

Os tratamentos de água são necessários para águas residuárias de sistemas industriais ou para os esgotos coletados nas áreas assentamentos humanos. Objetivam devolver características físico-químicas às águas, antes das mesmas serem dispostas ou retornarem aos sistemas hídricos naturais, superficiais ou subterrâneos.
Os tratamentos envolvem vários tipos de processos, desde a remoção física dos poluentes, passando por processos químicos e podendo serem finalizados por refinamentos biológicos.
Existem tratamentos denominados primários, secundários e terciários, cada um deles sendo constituído de vários processos unitários individuais.
Processos unitários é a denominação que se dá para cada procedimento físico ou químico que integra o elenco de ações que objetiva dotar o efluente residual considerado, de condições para retornar ao fluxo natural das águas sem causar danos e impactos ambientais.
Os denominados tratamentos primários são constituídos por processos físico químicos, por coagulação e floculação das águas residuárias e objetivam a remoção de poluentes inorgânicos, materiais insolúveis, metais pesados, matéria orgânica não biodegradável, sólidos em suspensão e outros.
O tratamento físico-químico por coagulação e floculação difere muito pouco dos sistemas empregados no tratamento de água bruta para abastecimento público, onde sua concepção básica consiste em transformar em flocos as impurezas em estado coloidal e as suspensões, para posteriormente remover estes materiais em decantadores.
A floculação é obtida com coagulantes químicos como os sais de Alumínio e Ferro, que reagem com a alcalinidade contida ou adicionada nas águas residuárias para correção do ph muito ácido, formando hidróxidos que desestabilizam coloides e partículas em suspensão.
Para obtenção de eficiência nos tratamentos, é necessário escolher os processos de forma adequada.
Os processos físico-químicos são recomendados na remoção de poluentes inorgânicos, metais pesados, óleos e graxas, sólidos sedimentáveis e sólidos em suspensão através de processos de coagulação-floculação e remoção de matérias orgânicas não biodegradáveis e sólidos dissolvidos, por precipitação química.
A remoção de compostos ocorre através de oxidação química.
Na remoção de sólidos voláteis, dissolvidos e em suspensão, o tratamento biológico é mais indicado. Para remover sólidos fixos dissolvidos, são necessários tratamentos mais avançados como troca iônica, adsorção em leitos de carvão ativado e outros.
Na escolha do tratamento, a relação entre Digestão Química de Oxigênio (DQO) e Digestão Biológica de Oxigênio (DBO) é o parâmetro definidor fundamental:
1) O caso em que a DQO seja o dobro da DBO, é provável que parte da matéria orgânica seja biodegradável, podendo ser adotados tratamentos biológicos convencionais;
2) Na hipótese do DQO ser muito além do dobro da DBO (3 ou 4 vezes maior), é provável que grande parte da matéria orgânica não seja biodegradável e tratamentos químicos podem ser mais adequados; caso haja presença de celulose, que não é biodegradável, mas não é tóxica, poderá ser aplicado tratamento biológico.
O procedimento, para avaliar a eficiência dos processos e orientar a escolha do tratamento adequado, é a execução de ensaios de floculação (“jar-test”) que são simulações laboratoriais do que realmente ocorre nas estações de tratamento. (EcoDebate)

Nenhum comentário: