sábado, 17 de dezembro de 2011

Meses cruciais para vencer crise da fome

ONU: próximos meses são cruciais para vencer a crise
Fome também pode se agravar de acordo com a ajuda de emergência recebida
O Programa Mundial de Alimentos (PAM) fez sua ponte aérea para ajudar as vítimas da seca na Somália.
A ONU afirmou que os próximos meses são cruciais para vencer a crise da fome na Somália, ou para que a situação se agrave. Tudo dependerá do fato de as pessoas afetadas receberem a ajuda de emergência que requerem nesse prazo.
O Fundo das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) declarou que a Uganda se somou ao grupo de países atingidos pela grave seca na região do Chifre da África e que já foram detectados focos de "insegurança alimentícia" no país. "Uganda pode ser o próximo país afetado pelas alarmantes condições de desnutrição", revelou nesta terça-feira a porta-voz da FAO em Genebra, Sandra Avilés.
Sobre a Somália, a representante desse organismo considerou que os últimos dados indicam que a taxa de desnutrição aguda se situa em 50% e que a mortalidade se eleva a seis mortes diárias para cada grupo de 10.000 pessoas nas áreas do sul mais afetadas pela falta de chuvas.
Números - Sandra reiterou que a FAO desconhece o número exato de mortos pela crise da fome por várias razões. "Particularmente, porque é muito difícil fazer (o cálculo) em avaliações rápidas e são necessárias estatísticas atualizadas da população, o que não existe no caso da Somália", disse. No entanto, a porta-voz afirmou que é certo que dezenas de milhares de pessoas morreram no sul da Somália pela crise de fome ou por doenças provocadas por esta situação.
O Escritório para Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (OCHA, na sigla em inglês) destacou que ainda está longe de cobrir os requerimentos financeiros para prestar assistência aos 12,4 milhões de pessoas que sofrem com a fome em cinco países. A Somália precisa nesse momento de 1 bilhão de dólares, mas só recebeu, até agora, o montante de 429 milhões de dólares.
Operações - As operações de distribuição de alimentos são as que recebem mais financiamento (57%). Em seguida, aparecem as ações vinculadas à água e ao saneamento (34%), enquanto as de nutrição e saúde apenas receberam apenas 25% e 23%, respectivamente, do total solicitado. Uma porta-voz da OCHA destacou que a contribuição para nutrição é "baixa demais" e que isto pode ter consequências dramáticas em termos de saúde da população.
A Organização Meteorológica Mundial (OMM), com sede em Genebra, previu que a seca no sul da Somália, assim como em partes do Quênia, Etiópia, Djibuti e, mais recentemente, da Uganda, continuará durante agosto e setembro. O órgão explicou que a propensão às secas aumentou nos últimos 25 anos no mundo e que "veremos um aumento de sua frequência no futuro", uma situação diretamente relacionada com a mudança climática. (veja)

Nenhum comentário: