quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Desmatamento na Amazônia aumentou 129%

Desmatamento na Amazônia Legal entre agosto e novembro de 2012 aumentou 129% em relação ao mesmo período de 2011.
Em novembro de 2012, metade (50%) da área florestal da Amazônia Legal estava coberta por nuvens, em especial nos estados do Acre e Mato Grosso que apresentaram 81% e 77% de cobertura de nuvens respectivamente. Isso comprometeu a detecção do desmatamento e da degradação florestal para esse mês através das imagens MODIS utilizadas pelo SAD.
Nessas condições foram detectados somente 55 km2 de desmatamento em novembro de 2012 na Amazônia Legal, o que representou um aumento de 258% em relação a novembro de 2011 quando o desmatamento somou 16 km2 e a cobertura de nuvens foi de 71% de toda área florestal da Amazônia. Essa diferença de cobertura de nuvens pode comprometer a comparação entre os meses de novembro de 2012 e 2011.
O desmatamento acumulado no período de agosto de 2012 a novembro de 2012 totalizou 1.206 km2. Houve aumento de 129% em relação ao período anterior (agosto de 2011 a novembro de 2011) quando o desmatamento somou 527 km2.
Em novembro de 2012, grande parte do desmatamento (42%) ocorreu no Pará, seguido por Rondônia (25%) e Amazonas (24%). O restante ocorreu em Roraima com 4% e Tocantins com 1%.
As florestas degradadas na Amazônia Legal somaram100 km2 em novembro de 2012. Em relação a novembro de 2011, quando a degradação florestal somou 40 km2, houve um aumento de 154%.
A degradação florestal acumulada no período (agosto 2012 a novembro 2012) atingiu 711 km2. Em relação ao período anterior (agosto de 2011 a novembro de 2011), quando a degradação somou 1285 km2, houve redução de 45%.
Em novembro de 2012, o desmatamento detectado pelo SAD comprometeu 1,5 milhões de toneladas de CO2 equivalente. No acumulado do período (agosto 2012 a novembro de 2012) as emissões de CO2 equivalentes comprometidas com o desmatamento totalizaram 60 milhões de toneladas, o que representa uma redução de 32% em relação ao período anterior (agosto de 2011 a novembro de 2011). (EcoDebate)

Nenhum comentário: