sábado, 19 de outubro de 2013

Capitalismo e soberania alimentar

Há várias gerações que o capitalismo persegue o campo, persegue sua produção, seu modo de vida, persegue sua transformação em um dos seus elementos motores, e para isso, corre para conseguir (praticamente já o fez) abolir o modelo ancestral de cultura camponesa que durante séculos desfrutamos, desfrutaram as gerações passadas. Para isso e em primeiro lugar, fomenta-se a produção dos modos de vida consumistas das grandes cidades, ao mesmo tempo que se generaliza a “má imagem” (entenda-se como um conceito de “atraso social”) das pessoas e dos modos de vida camponeses.
Enquanto tenta-se acabar com a cultura camponesa tradicional, com seus costumes, com seus valores, etc., eliminando as possibilidades reais de produção e de autoconsumo do campo, vai se convertendo as cidades em grandes monstros da civilização, centraliza-se nelas não apenas os aspectos culturais, de ócio, de entretenimento, de mercados de trabalho, ocupações, de estudos e de formação, mas também vai se centralizando o modo de produção e de consumo capitalista, que obedecem, como sabemos, aos modos de produção e de consumo da produção extrativista e exploradora. O campo vai ficando vazio, fecham-se as oportunidades locais de desenvolvimento, ao mesmo tempo que se fomentam políticas de redistribuição dos produtos locais que passam por diversas cadeias de intermediários até chegarem aos seus consumidores finais nas grandes cidades.
Enquanto tudo isso ocorre, o mundo do campesinato vai tentando manter-se com o pouco que pode obter dos lucros com a venda de seus produtos, já que os agricultores e criadores de gado recebem cada vez menos, e se procura, por outro lado, subsidiá-los para fomentar políticas assistenciais, determinando com isso a falta de oportunidades para as novas gerações. Ao cabo do tempo, projetamos um sistema que empobrece o campo e o camponês, e que enriquece as grandes empresas, normalmente transnacionais, que vão comercializando em grande escala a produção local de cada comarca. Devemos mudar este malvado sistema, para poder voltar às origens, porque com isso não apenas teremos ganhado outra grande batalha do capitalismo globalizado, mas devolvido a dignidade, as esperanças e o futuro ao camponês, e teremos fomentado a produção e o consumo locais.
Enquanto todo este sistema vai se desenvolvendo, sem prestar contas, vai se criando uma subcultura de marginalização no campesinato, ligada à sua paulatina despovoação, à falta de oportunidades de trabalho e ao fomento de condições de vida nos povoados e no campo totalmente indignas. Enquanto os grandes latifundiários exploram suas grandes extensões de terra, os pequenos agricultores e criadores de gado não possuem os meios de exploração de seus recursos, com exceção da venda direta a distribuidores intermediários da grande cadeia capitalista. Outro fator cultural que ajuda nesta tendência é a difusão da ideia de proteção em grande superfície comercial, em detrimento dos pequenos comércios locais, que podem ser abastecidos diretamente pelos produtos e produções locais. Como se vê, toda a rede de práticas que vão confluindo não apenas para enfraquecer os modos de vida tradicionais, com a consequente perda de seus valores culturais, mas também para o progressivo empobrecimento dos grupos que pretendem continuar com estes modos de vida.
Mas, como conseguiremos reverter esta estrutura? Como poderemos construir novamente um sistema de produção local, cada vez mais coeso, que cultive a agricultura de proximidade e revolucione os modos de produção e consumo mediante padrões capitalistas? Pois precisamente abolindo seus valores. Em grande escala, esse sistema pode fazer muito, sobretudo inculcando novos valores de redistribuição da riqueza, acabando com os monopólios agroindustriais, com o poder dos grandes latifundiários e promovendo outros modos de produção e consumo mais ligados ao consumo responsável, à produção local e ao auto abastecimento de matérias-primas locais.
Mas não devemos parar por aí. As políticas públicas podem ajudar muito na recuperação do valor da cultura do campesinato e para diminuir a influência dos valores predominantes da vida nas grandes cidades. A promoção de mercados próximos, as ajudas à produção local, a publicidade próxima, as pequenas corporações locais, as ajudas à agroindústria, a potencialização dos valores de um consumo responsável, a recuperação de uma cultura do autoconsumo, a anulação dos valores capitalistas sobre os lucros e o benefício, são parte de todo o sistema. Deve-se acabar com a concentração da terra em pouquíssimas mãos. Com isso se criarão as condições concretas de sobrevivência nos ambientes rurais, que ajudará a repovoar os núcleos que foram se esvaziando. Criar ajudas e condições de apoio e fomento aos cultivos locais, favorecer a agricultura camponesa, substituir os agroquímicos por adubos orgânicos, apoiar o conceito de semente como patrimônio do campesinato, em vez de considerá-la objeto de mercadoria, ou patentes de compra e venda comerciais.
Criar políticas de crédito e microcrédito para diferentes tipos de produção local, sob a perspectiva produtiva, definindo uma política de crédito que se adeque em cada zona à lógica da produção agropecuária. Desincentivar as políticas dedicadas exclusivamente à exploração, incentivando por sua vez mediante campanhas, as práticas de produção e consumo locais. Fomentar os mercados e mercadinhos com mercadorias de produção local. Melhorar também a construção e as condições das infraestruturas locais. Desta forma, vai se recuperando pouco a pouco o nível de vida do campesinato, a população das zonas rurais e o controle e a soberania alimentar sobre seus produtos. Reforçar a atividade educativa, apoiar os professores locais, dotar as escolas rurais com mais meios humanos e tecnológicos, voltadas à manutenção de modos de vida para as futuras gerações. Em última instância, devolver às pessoas o poder da terra que, somado ao poder do conhecimento, forma um biopoder altamente transformador, que se converterá em outra pedra no sapato do grande sistema capitalista globalizado, contribuindo para um mundo mais sustentável, mais justo e mais humano. (EcoDebate)

Nenhum comentário: