sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Relatório do IPCC confirma a responsabilidade humana

Novo relatório do IPCC deve confirmar responsabilidade do homem no aquecimento global
As alarmantes consequências das mudanças climáticas devem ser confirmadas por um dos eventos científicos mais importantes sobre o tema, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), que se iniciou em Estocolmo (Suécia). O IPCC, que ganhou o prêmio Nobel da Paz em 2007, revelou após quatro dias de debates, o primeiro volume de um relatório completo sobre as mudanças climáticas, suas consequências e os meios para combater o problema, confirmou seu presidente, Rajendra Pachauri.
“As provas científicas das (…) mudanças climáticas se reforçaram a cada ano, deixando pouca incerteza, salvo sobre suas graves consequências”, declarou Pachauri, durante a abertura da conferência em Estocolmo.
Este foi o quinto relatório do painel da ONU – que reúne milhares de cientistas – desde sua criação, em 1988. Segundo uma versão provisória do texto divulgado, o documento final, de 31 páginas, confirma a responsabilidade do ser humano no aquecimento da Terra e apontou a intensificação de alguns eventos extremos, como o aumento do nível do mar.
O relatório, que contou com a colaboração de 520 autores, também destacará a urgência de tomar medidas para poder conter o aquecimento da Terra a +2ºC. Este objetivo, adotado pelos 195 países que negociam na ONU um acordo mundial sobre o clima, parece cada vez mais distante, segundo cientistas. O texto ainda deve apresentar hipóteses para explicar a diminuição do ritmo do aquecimento global desde o início do século, apesar do aumento das emissões de gases de efeito estufa.
Análise minuciosa
Os delegados – cientistas e representantes de governos – divulgaram o relatório depois de examinar, durante quatro dias, as novas evidências das mudanças climáticas e suas consequências. Pachauri ressaltou que o documento será aprovado “linha por linha” antes do fim da reunião de Estocolmo.
“Não conheço um documento que tenha sido submetido a este tipo de análise minuciosa e que tenha envolvido tantas pessoas com espírito crítico, que ofereceram sua perspicácia e conselhos”, afirmou o co-presidente do grupo de trabalho que assinou o documento, Thomas Stocker.
O relatório “se baseou em milhares de medições na atmosfera, na terra, no gelo, no espaço”, afirmou o cientista suíço, que é professor da Universidade de Berna, na Suíça. Ele ressaltou que estas medidas permitem ter uma visão sem precedentes e imparcial da situação do clima.
“A mudança climática é um dos grandes desafios de nossa época”, reafirmou o especialista, afirmando que “esta mudança ameaça nossos recursos primários, a terra e a água”. “E como ameaça nossa única residência, devemos enfrentá-la”, ressaltou o especialista, acrescentando que isso exige “as melhores informações para tomar as medidas mais eficazes”.
Em 2007, o IPCC gerou uma mobilização sem precedentes as respeito do clima, o que rendeu a atribuição do prêmio Nobel da Paz ao lado do ex-vice-presidente americano Al Gore. (EcoDebate)

Nenhum comentário: