domingo, 13 de abril de 2014

‘Os verões no Centro-Sul serão menos chuvosos’

A estiagem foi um evento extremo de um novo ciclo no Pacífico que tende a se estender pelos próximos 25 anos.
Já faz algum tempo que Paulo Etchichury, diretor da Somar, empresa de análise do clima, relata em artigos e conversas com clientes que o padrão do clima mudou.
“Os verões tendem a ser menos chuvosos e os invernos mais rigorosos”, diz Etchichury.
Na entrevista que segue ele explica porque a alteração não tem relação com as mudanças climáticas, mas faz parte de ciclos naturais de altas e baixas temperaturas do Oceano Pacífico.
Os verões têm sido cada vez menos chuvosos. O calor que vimos neste início de ano é um fenômeno eventual ou pode se repetir?
Já tem uns três anos que chove nos verões, como todos espera, mas chove menos, não temos uma recomposição do lençóis freáticos e de reservatórios de água. Também estamos tendo invernos mais frios. Teve geada no Paraná. Teve neve em Curitiba, o que não acontecia desde a década de 70.
O que provoca isso?
Estamos no que se chama Oscilação Decadal do Pacífico (ODP) – decadal porque envolve décadas, em ciclos de aproximadamente 30 anos. De 1975 a 2005, o Pacífico esteve mais tempo quente do que frio. Isso provocou mais chuva no Centro-Sul do Brasil e invernos mais amenos. Agora há um consenso na comunidade científica de que voltamos ao padrão registrado entre 1945 e 1975, quando o Pacífico ficou mais tempo frio.
Nessa condição, os verões são menos chuvosos e os invernos mais frios no Brasil. A gente houve os mais velhos dizerem que o clima era diferente quando eram jovens – e era mesmo.
Não há, então, relação com as mudanças climáticas?
Oscilação Decadal do Pacífico (ODP) é um ciclo natural, que não tem nenhuma relação com o fenômeno conhecido como mudanças climáticas.
Então teremos de nos preparar para uma nova realidade pelos próximos 25 anos?
Sim. O mais importante é abandonar o paradigma de que, se tivermos uma seca, a estação chuvosa vai repor os reservatórios de água, os lençóis freáticos e a umidade do solo. Não temos mais esta garantia e precisamos nos preparar para isso. (OESP)

Nenhum comentário: