segunda-feira, 23 de junho de 2014

ONU vai buscar ajuda legal para combater crime ambiental

Organização iniciará movimento para se tornar mais linha dura em tudo, desde o comércio ilegal de animais até a poluição.
Mulher usa máscara em Kuala Lumpur, na Malásia, devido a poluição no ar em 04/03/2014.
A ONU vai buscar nesta semana, meios para endurecer as leis ambientais e se tornar linha dura em tudo, desde o comércio ilegal de animais e plantas selvagens até a poluição por mercúrio e resíduos perigosos.
A Assembleia Ambiental das Nações Unidas (Anea), um novo fórum de todas as nações que inclui ministros do meio ambiente, líderes empresariais e a sociedade civil, vai se reúne em Nairóbi de 23 a 27 de junho/14, para buscar meios de promover um crescimento econômico mais verde.
Esse movimento inclui endurecer as leis ambientais.
“Frequentemente temos legislação ambiental que é bem intencionada, mas não é eficaz", disse à Reuters, em entrevista por telefone, Achim Steiner, chefe do Programa Ambiental da ONU (PNUMA), que vai sediar as conversações.
Muitos países aderem aos tratados ambientais, mas muitas vezes são lentos para ratificá-los e aplicá-los às leis nacionais, em questões que vão desde a proteção de plantas e animais contra a extinção até a proibição de produtos químicos perigosos ou criação de leis contra resíduos perigosos.
“Apenas a assinatura de um compromisso já é um passo, colocar as finanças, a tecnologia e as leis em vigor, são ingredientes críticos”, disse.
As conversas em Nairóbi vão incluir uma reunião de presidentes de Supremos Tribunais, advogados, promotores públicos e outros especialistas legais.
Eles vão buscar formas de melhorar a cooperação, acelerar a ratificação dos tratados e tentar encontrar modelos para uma legislação nacional.
“As atividades ilegais que prejudicam o meio ambiente estão se desenvolvendo rapidamente e aumentando sua sofisticação”, disse o PNUMA em uma declaração. A coordenação internacional foi insuficiente para prender gangues de criminosos, desde a pesca ilegal até madeireiros. (yahoo)

Nenhum comentário: