quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Sistema Cantareira chega a 9,5% em 2 semanas de alta

Sistema Cantareira chega a 9,5% e completa duas semanas de alta
Nível do principal manancial da Região Metropolitana de São Paulo voltou a subiu 0,6%; os demais reservatórios também cresceram nesta 10/02.

Sistema Cantareira chega a 9,5% e completa duas semanas de alta.
Nível do principal manancial de São Paulo voltou a subir 0,6%; os demais reservatórios também cresceram em 18/02.
O nível do Sistema Cantareira, principal manancial de São Paulo, voltou a registrar aumento de 0,6%, a maior elevação desde o início da crise hídrica, e completou duas semanas de alta em 19/02. Segundo boletim da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), os reservatórios operam com 9,5% da capacidade, ante 8,9% no dia anterior.
Responsável por abastecer 6,5 milhões de pessoas, o manancial subiu 2,2% só nos últimos quatro dias. Além do alto volume de chuva neste mês, outro fator ajuda a explicar as altas consecutivas dos reservatórios que compõem o sistema: a redução de 66% do volume de água retirado do Cantareira pela Sabesp. Há um ano, a captação era de 32,6 mil litros por segundo. Hoje, esse número é de 11 mil litros por segundo.
Nas últimas 24 horas, a pluviometria conferida na região do Cantareira não foi alta, de 3 milímetros. Considerando os outros dias do mês, contudo, o volume acumulado, de 260 milímetros, já é cerca 30,6% maior do que a média histórica de fevereiro, de 199,1 mm.
Crise hídrica na Represa Atibainha
O Sistema Cantareira recuperou as perdas do volume de água nos dois primeiros meses deste ano.
O mês de fevereiro foi o mais chuvoso dos últimos nove anos.
No entanto, a situação ainda é crítica, já que o manancial tem recebido um volume de água 46% abaixo da média histórica para o mês.
Carcaça de carro na Represa Atibainha grafitado com a frase 'Bem-vindo ao Deserto do Cantareira', um dos símbolos da crise hídrica.
Boletim da ANA mostra que a entrada de água no Cantareira ainda está 30,5 mil l/s menor do que o esperado, resultado do 'efeito esponja' provocado pelo solo seco.
Parte da recuperação do Cantareira, que sofria quedas mensais desde maio de 2013 e retomou o nível de novembro, deve-se ao aumento das chuvas.

As chuvas, contudo, não teriam o menor impacto não fosse a redução de 66% do volume de água retirado do Cantareira pela Sabesp para abastecer a Grande São Paulo, além de mais 5,5 milhões de pessoas nas regiões de Campinas e Piracicaba.


Há um ano, a captação era de 32,6 mil litros por segundo, e, agora, caiu para 11 mil litros por segundo.

O resultado, contudo, tem sido obtido mediante uma redução drástica da pressão da água e fechamento de 40% da rede, provocando longos cortes no abastecimento.
A Sabesp afirma que está reavaliando as áreas de redução da pressão.
A última vez em que o Cantareira registrou queda foi no dia 1º de fevereiro, quando desceu de 5,1% para 5%. Comparado ao primeiro dia do ano, quando estava com 7,2%, o volume atual de água represada é 2,3% superior e está equiparado ao do dia 23 de novembro, quando também estava com 9,5%.
Apesar das altas seguidas, a situação do Cantareira ainda está longe da normalidade. O atual cálculo da Sabesp para a capacidade do manancial inclui duas cotas do volume morto - água represada abaixo dos túneis de captação. A primeira, de 182,5 bilhões de litros de água, foi adicionada em maio, enquanto a segunda, de 105 bilhões de litros, em outubro.
Outros mananciais. O nível dos outros cinco principais mananciais, responsáveis por abastecer a capital e Grande São Paulo, também registrou aumento no volume acumulado de água.
Em termos proporcionais o Sistema Rio Grande foi quem teve o maior aumento: 1%. O reservatório opera nesta quinta com 83,9% da capacidade, contra 82,9% em 18/02.
O Sistema Alto Tietê também completou duas semanas de alta e subiu 0,9%. O reservatório está com 17,2%, número que leva em conta 39,4 bilhões de litros do volume morto. No dia anterior, o índice era de 16,3%. Mesmo aumento teve o Alto Cotia, que saltou de 35,3% para 36,2%.
O Sistema Guarapiranga subiu 0,5%, após ter chovido 7,8 mm sobre a região. O reservatório está com 56,8% da capacidade, ante 56,3% no dia anterior. Já o Rio Claro cresceu 0,2% e registra 34,8% de volume de água. (OESP)

Nenhum comentário: