quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Desmatamento e uso de terras para agropecuária contribuem para as mudanças climáticas

Desmatamento e uso de terras para agropecuária são negligenciados como contribuintes para as mudanças climáticas.

No que diz respeito à luta contra as alterações climáticas, o foco muitas vezes depende da redução do uso de combustíveis fósseis e do desenvolvimento de fontes de energia sustentáveis. Mas um novo estudo da Universidade de Cornell mostra que o desmatamento e o uso subsequente de terras para agricultura ou pastagem, especialmente em regiões tropicais, contribuem mais para a mudança climática do que se pensava anteriormente.
 
O novo artigo, “Are the Impacts of Land Use on Warming Underestimated in Climate Policy? “, publicado em Environmental Research Letters , também mostra quão significativo esse impacto foi subestimado. Mesmo que todas as emissões de combustíveis fósseis sejam eliminadas, se as atuais taxas de desmatamento tropical se manterem firmes até 2100, ainda haverá um aumento de 1.5°C no aquecimento global.
“Muita da ênfase da política climática é a conversão para a energia sustentável a partir de combustíveis fósseis”, disse Natalie M. Mahowald, principal autor e diretor de ambiente do meio ambiente para o Atkinson Center for a Sustainable Future. “É um passo incrivelmente importante a tomar, mas, ironicamente, as partículas liberadas da queima de combustíveis fósseis – que são gravemente prejudiciais para a saúde humana – têm um efeito refrescante sobre o clima. A remoção dessas partículas efetivamente torna mais difícil atingir as temperaturas mais baixas estabelecido no acordo de Paris”.
Ela disse que, além de eliminar os combustíveis fósseis, as comunidades científicas e políticas devem prestar atenção às mudanças no uso da terra, para acabar com o aquecimento global, já que os efeitos do desmatamento não são “insignificantes”.
Enquanto o dióxido de carbono coletado por árvores e plantas é liberado durante o corte e queima do desmatamento, outros gases de efeito estufa – especificamente óxido nitroso e metano – são liberados depois que as terras naturais foram convertidas em uso agrícola e humano. Os gases compõem o efeito da capacidade do dióxido de carbono de capturar a energia do sol na atmosfera, contribuindo para forçar a radiação – energia absorvida pela Terra versus energia irradiada – e um clima mais quente.
Como resultado, enquanto apenas 20% do aumento do dióxido de carbono causado pela atividade humana se origina do uso do solo e da mudança da cobertura do solo, essa proporção de aquecimento do uso da terra (em comparação com outras atividades humanas) aumenta para 40%, uma vez que as co-emissões como o óxido nitroso e o metano são tidos em conta.
“No curto prazo, o uso da terra tende a ter o dobro do forçamento radiativo, que deveria ter obtido do dióxido de carbono devido às co-emissões, então é duas vezes mais importante”, disse Mahowald.
A descoberta de Mahowald ressoa com um artigo anterior publicado em Global Biogeochemical Cycles em janeiro, “Interactions Between Land Use Change and Carbon Cycle Feedbacks”, que mostrou que o carbono liberado por uma área desmatada é realmente duplicado ao longo do tempo porque o futuro potencial dessa área para funcionar como um sorvedouro natural – ou seja, um habitat que pode absorver dióxido de carbono da atmosfera – foi eliminado.
“Normalmente, as pessoas só pensam sobre o que está acontecendo agora quando pensam sobre o orçamento de carbono”, disse Mahowald. “Mas se você pensa sobre o que acontecerá ao longo da vida dessa terra, por muito tempo no futuro, você deve multiplicar essa conversão de terras por dois para entender o efeito líquido dele”.
Mudanças climáticas e previsão temperatura para os próximos 100 anos.
À medida que a agricultura se expande em áreas tropicais e as pressões para transformar a floresta em terras agrícolas aumentam, Mahowald enfatiza a importância de usar prazos prolongados para avaliar o impacto que essas práticas têm no clima.
“Temos uma boa frase: o legado multicentenário das decisões atuais de uso da terra”, disse ela. “Quando pensamos nas mudanças climáticas, não podemos parar no final do século. As consequências continuam por mais alguns séculos”. (ecodebate)

Nenhum comentário: