terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Mar Vermelho está aquecendo mais que a média global

O Mar Vermelho está se aquecendo mais rápido do que a média global.
As temperaturas máximas e médias aumentam gradualmente do norte do Mar Vermelho até o sul.
“A taxa global de aquecimento do oceano tem muitas consequências para a vida neste planeta. Agora estamos aprendendo que o Mar Vermelho está se aquecendo ainda mais rápido do que a média global”, diz a doutoranda em ciência do mar ma KAUST, Veronica Chaidez.
As análises, conduzidas por uma equipe multidisciplinar abrangendo as três divisões da KAUST, fornecem dados vitais que poderiam ajudar a prever o futuro da biodiversidade marinha do Mar Vermelho, quando suplementados por evidências a serem reunidas nos limites térmicos dos organismos locais.
As análises de dados de detecção de satélites de 1982 a 2015 mostram que as temperaturas máximas da superfície do Mar Vermelho aumentaram a uma taxa de 0,17 ± 0,07°C por década, superando a taxa global de aquecimento oceânico de 0,11°C por década. Verificou-se que as temperaturas máximas da superfície do mar aumentaram de norte a sul ao longo da bacia do Mar Vermelho, com as temperaturas mais frescas localizadas nos golfos de Suez e Aqaba, no extremo norte. Esses dois golfos, no entanto, estão mostrando as maiores taxas de variação em relação ao resto da bacia em 0,40-0,45°C por década; quatro vezes mais rápido do que a taxa média global de aquecimento do oceano.
O Mar Vermelho do Norte experimenta temperaturas máximas em julho, enquanto o Mar Vermelho do Sul é mais quente do final de julho a meados de agosto. Curiosamente, as temperaturas da superfície do mar atingiram o seu máximo em uma área na costa leste do Mar Vermelho, a cerca de 200 km ao sul de Jeddah, de meados de agosto a início de setembro. Esta anomalia pode ser causada pelos padrões de vento únicos nesta região.
As temperaturas máximas de superfície também são registradas cerca de um quarto do dia antes da década.
São necessários esforços de monitorização sistemática para avaliar os impactos dessas taxas de aquecimento rápido nos eventos de decapagem dos corais e na mortalidade por organismos de massas marinhas, acrescenta Chaidez. Atualmente, não existe um controle desse tipo no Mar Vermelho, mas Chaidez está testando as capacidades térmicas de algumas plantas e animais da bacia em seu laboratório. Um modelo que incorpora dados sobre temperaturas, limites térmicos do organismo e outros dados biológicos relevantes pode ajudar a prever os impactos do aquecimento no ecossistema local.
Evidências sugerem que temperaturas quentes no Mar Vermelho já estão desafiando a capacidade de seus organismos marinhos para se adaptar e sobreviver. Os organismos marinhos geralmente se adaptam ao aumento da temperatura do oceano, migrando para os polos. Esta não é uma migração fácil no Mar Vermelho, uma vez que é um espaço semifechado, tornando seus organismos vulneráveis. (ecodebate)

Nenhum comentário: