quarta-feira, 25 de abril de 2018

Extinção em massa com aviso prévio

Cientistas sugerem que os sinais de alerta para a extinção em massa existem, ao contrário dos pressupostos anteriores.
Extinções em massa ao longo da história da Terra foram bem documentadas. Os cientistas acreditam que eles ocorreram durante um curto período de tempo em termos geológicos. Em um novo estudo, os paleobiólogos da FAU e seus parceiros de pesquisa mostraram agora que os sinais de que o maior evento de extinção em massa na história da Terra estava se aproximando se tornaram aparentes muito antes do que se acreditava anteriormente, e apontam que os mesmos indicadores que podem ser observados hoje.
Extinções em massa são eventos raros que têm consequências catastróficas. Esses eventos muitas vezes mudam completamente o curso da evolução. Por exemplo, o surgimento de mamíferos – e, portanto, de humanos – provavelmente não teria sido possível se os dinossauros não tivessem se extinguido há 65 milhões de anos. Um meteorito atingiu a Terra mergulhando-o na escuridão e causando uma enorme queda de temperatura. A crise de fome subsequente acabou com mais de 70% de todas as espécies de animais. Os ancestrais do homem estavam entre os sobreviventes.
As consequências da extinção de espécies que ocorreram há cerca de 250 milhões de anos, no limite permiano-triássico, foram ainda mais catastróficas. Gigantescas erupções vulcânicas e as emissões de gases causadores do efeito estufa causaram a extinção cerca de 90% de todas as espécies de animais, de acordo com estimativas. Por mais de vinte anos, a opinião dominante na pesquisa foi que essa “mãe de todos os desastres” aconteceu abruptamente e sem aviso prévio, quando vista em escala de tempo geológica – as estimativas sugerem um período de apenas 60 mil anos.

Em um novo estudo publicado na edição de março da revista ‘Geology’, uma equipe de pesquisadores da Alemanha e do Irã provaram que esta crise aconteceu por um longo período de tempo. Sob a liderança do Prof. Dr. Wolfgang Kießling, presidente da Palaeoenviromental Research na FAU, que também foi recentemente nomeado como principal autor do sexto World Climate Report, e do Dr. Dieter Korn do Museum für Naturkunde em Berlim, os cientistas examinaram fósseis em perfis geológicos em grande parte não pesquisados no Irã.
Seus resultados mostram que os primeiros indicadores de uma extinção em massa eram evidentes a partir de 700.000 anos antes do evento real. Várias espécies de amonóides foram mortas naquela época e as espécies sobreviventes tornaram-se cada vez menores em tamanho e menos complexas quanto mais próximo o evento principal se tornava.
Os sinais de alerta de extinção em massa também são visíveis hoje.
Os fatores que levaram à extinção em massa no final do Período Permiano nos lembram muito hoje, diz o professor Wolfgang Kießling. ‘Há muitas evidências de aquecimento global severo, acidificação oceânica e falta de oxigênio. O que nos separa dos eventos do passado é a extensão desses fenômenos. Por exemplo, “o aumento atual da temperatura é significativamente menor do que há 250 milhões de anos”.
No entanto, os sinais de alerta que a equipe de Wolfgang Kießling encontrou no final do Período Permiano já podem ser vistos hoje. “O aumento da taxa de extinção em todos os habitats que estamos atualmente observando é atribuível à influência direta dos seres humanos, como a destruição do habitat, a pesca excessiva e a poluição”. No entanto, o nanismo de espécies animais nos oceanos em particular pode ser claramente atribuído à mudança climática. Devemos levar esses sinais muito a sério.
O artigo original intitulado ‘Pre–mass extinction decline of latest Permian ammonoids’ por Wolfgang Kiessling, Martin Schobben, Abbas Ghaderi, Vachik Hairepatan, Lucyna Leda e Dieter Korn foi publicado na revista ‘Geology’ (doi: 10,1130 / G39866.1) .

O trabalho foi realizado pela unidade de pesquisa TERSANE, que é baseada na FAU (FOR 2332). Neste projeto interdisciplinar, oito grupos de trabalho investigaram em que condições as emissões naturais de gases de efeito estufa podem atingir níveis catastróficos e como elas estão conectadas a crises na biodiversidade. (ecodebate)

Nenhum comentário: