domingo, 17 de junho de 2018

Um mundo em aquecimento ameaça a vida do planeta

A mudança climática nas próximas décadas – mesmo que o aumento da temperatura global possa ser mantido abaixo de 2°C – afetará negativamente as espécies animais e vegetais em todo o mundo. Se o mundo adotar uma abordagem “business as usual”, e vermos um aumento de 4,5°C, muitas outras espécies poderiam morrer.
Esta é a descoberta básica de uma nova pesquisa do World Wildlife Fund, do Tyndall Centre for Climate Change, da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, e da James Cook University, na Austrália.
O estudo, Wildlife in a Warming World, analisou 35 “Locais Prioritários” para conservação em todo o mundo. Descobriu que:
* Os extremos climáticos de hoje são o novo normal de amanhã. Os anos quentes e secos extremos no passado muitas vezes levaram a declínios significativos nas populações das espécies.
* Vamos precisar de esforços de mitigação climática mais fortes, se quisermos evitar a perda severa de biodiversidade. Enquanto o Acordo de Paris visa limitar a elevação da temperatura global média a bem abaixo de 2°C (visando 1,5°C), as atuais promessas climáticas nacionais nos colocaram em um curso de cerca de 3,2°C de aquecimento. À medida que a temperatura aumenta, o mesmo acontece com a proporção de espécies em risco. Com 4,5°C de aquecimento, quase 50% das espécies atualmente encontradas em Locais Prioritários estão em risco de extinção local. Mas se os aumentos de temperatura forem limitados a 2°C, esse risco será reduzido pela metade, ressaltando a importância de ações urgentes para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.
* Mesmo um aumento de 2°C levará a perdas generalizadas de biodiversidade. Sob um cenário de 2°C, quase 25% das espécies em Locais Prioritários estão em risco de extinção local. As plantas são projetadas para serem particularmente atingidas, porque muitas vezes não conseguem se adaptar com rapidez suficiente a um clima em mudança.
* A dispersão pode fazer uma enorme diferença: algumas espécies podem sobreviver, rastreando suas condições climáticas favoráveis e se dispersando em novas áreas. No entanto, sem a capacidade de se dispersar, a proporção de espécies expostas a extinções locais a um aumento de temperatura global de 2°C aumenta de 20% para cerca de 25%. Em um cenário de pior caso, sem dispersão a 4,5°C, esse número salta de 40% para 50%.
* Os esforços de conservação são cruciais: eles são importantes para lidar com as pressões existentes – como a perda de habitat, a caça furtiva e a colheita insustentável – mas também podem ajudar as espécies a se adaptarem às mudanças climáticas. Esforços redobrados de conservação local serão necessários para proteger e restaurar corredores biológicos que apoiam a dispersão e para assegurar as áreas que permanecerão como habitat adequado – conhecido como “refúgio” – mesmo com o aumento das temperaturas.
“A coisa mais importante que o mundo pode fazer é manter o aumento da temperatura global ao mínimo, fazendo todo o possível para reduzir os gases de efeito estufa na atmosfera. Simplificando, temos que parar de queimar combustíveis fósseis”, diz o Sumário Executivo do relatório.
A biodiversidade, a rica tapeçaria da vida na Terra, é vital para a sobrevivência humana. As pessoas também são diretamente afetadas pela mudança climática, e suas respostas podem aumentar a pressão sobre a biodiversidade que já está sendo enfraquecida por fatores climáticos.
“O ritmo acelerado da mudança climática, combinado com uma explosão populacional no século passado, perda de habitat, poluição química e outros, está causando desequilíbrios ecológicos e levando cada vez mais espécies à beira da extinção”, afirma a ONU. (ecodebate)

Nenhum comentário: