quarta-feira, 25 de julho de 2018

Furacões estão ficando mais fortes

Furacões estão se tornando mais fortes devido ao aumento das temperaturas do mar e do ar.
Nova pesquisa investiga o impacto das tempestades de poeira na formação do furacão Sandy – Mais furacões de categoria 5 previstos pelos cientistas.
Furacão Sandy.
No meio da temporada de furacões, climatologistas em todo o mundo estão monitorando formações de tempestades tropicais que têm o potencial de se transformar em furacões mortais. A temporada de furacões do Atlântico incluiu 17 tempestades nomeadas no ano passado, muitas das quais provaram ser caras e destrutivas para as comunidades em seu caminho. Os furacões estão se tornando mais fortes e úmidos devido ao aumento das temperaturas do mar e do ar.
Tempestades de poeira do Saara também podem desempenhar um papel na formação de furacões. Pesquisadores da Chapman University aprenderam com o estudo do furacão Sandy de 2012, que é mais provável que vejamos furacões maiores e mais poderosos no futuro.
“Embora Sandy era uma tempestade de categoria 3 quando fez a terra firme em Cuba, tornou-se o maior de furacões no Atlântico no registro quando medido pelo diâmetro, com ventos abrangendo 900 milhas”, disse Chapman University climatologista Hesham El-Askary, Ph.D .
Furacões mais lentos dão origem a mais precipitação numa dada região.
Os furacões - e também os tufões, do outro lado do mundo - estão em média 10% mais lentos em relação há 70 anos.
Um evento de poeira do Saara ocorrido na África Ocidental semanas antes de Sandy ter formado carregou grandes quantidades de pó mineral na troposfera, enchendo a onda tropical que se tornou Sandy com aerossóis ao longo da maior parte de seu caminho.
Ao monitorar as tempestades de poeira, o Dr. El-Askary foi capaz de vincular essa ocorrência ao papel que desempenhou no desenvolvimento do furacão de uma categoria 1 para uma tempestade de categoria 3. Com este trabalho, ele espera fornecer uma previsão mais precisa para esses tipos de ocorrências climáticas extremas. (ecodebate)

Nenhum comentário: