segunda-feira, 9 de julho de 2018

Perda de florestas do Sudeste Asiático é muito maior do que o esperado

Perda de florestas do Sudeste Asiático é muito maior do que o esperado, com implicações negativas para o clima.
Pesquisadores que utilizam imagens de satélite descobriram um desmatamento muito maior do que o esperado desde 2000 nas terras altas do sudeste da Ásia, um ecossistema mundial de importância crucial. As descobertas são importantes porque levantam questões sobre as principais suposições feitas nas projeções da mudança climática global, bem como preocupações sobre as condições ambientais no sudeste da Ásia no futuro.
Pesquisadores, que utilizam imagens de satélite, descobriram um desmatamento muito maior do que o esperado desde 2000 nas terras altas do sudeste da Ásia, um ecossistema mundial de importância crucial. Fotos cedidas pelos pesquisadores.
Zhenzhong Zeng, pesquisador de pós-doutorado da Universidade de Princeton e principal autor de um artigo descrevendo as descobertas da Nature Geoscience, disse que os pesquisadores usaram uma combinação de dados de satélite e algoritmos computacionais para chegar a suas conclusões. O relatório mostra uma perda de 29,3 milhões de hectares de floresta (cerca de 113.000 milhas quadradas ou cerca do dobro do tamanho do estado de Nova York) entre 2000 e 2014. Zeng disse que representa 57% mais perdas do que as estimativas atuais de desmatamento feitas pelo Painel Internacional sobre Das Alterações Climáticas. Ele disse que a maior parte da floresta foi desmatada para plantações.
Como as florestas absorvem carbono atmosférico e as florestas queimadas contribuem com carbono para a atmosfera, a perda de florestas pode ser devastadora. Uma estimativa precisa da cobertura florestal também é crítica para as avaliações das mudanças climáticas. Zeng também disse que a transformação de regiões montanhosas de florestas antigas para terras cultiváveis, pode ter impactos ambientais generalizados da retenção do solo à qualidade da água na região.
Eric Wood, o professor de Engenharia Civil e Ambiental Susan Dod Brown e um membro da equipe de pesquisa, disse que os resultados foram preocupantes porque os agricultores estão cortando novas fronteiras agrícolas das florestas do sudeste da Ásia. “Essas florestas são uma fonte importante para o sequestro de carbono, bem como fontes de água críticas para as terras baixas adjacentes”, disse ele.
Além de Wood e Zeng, os pesquisadores envolvidos no projeto incluíram: Lyndon Estes, da Clark University; Alan Ziegler, da Universidade Nacional de Cingapura; Anping Chen, da Universidade de Purdue; Timothy Searchinger, pesquisador da Escola Woodrow Wilson, em Princeton; Fangyuan Hua, da Universidade de Cambridge; Kaiyu Guan, da Universidade de Illinois em Urbana Champaign; e Attachai Jintrawet, da Universidade de Chiang Mai. O apoio ao projeto foi fornecido em parte pela Lamsam-Thailand Sustain Development.
Florestas Tropicais do Sudeste Asiático
São as mais antigas florestas na Terra, que remontam há 70 milhões de anos. Tem uma riqueza biológica e diversidade inigualável. No entanto, o sudeste da Ásia está perdendo suas florestas mais rápido do que qualquer outra região equatorial e tem o menor número de florestas primárias remanescentes. Prevê-se que a maior parte dessas florestas primárias será destruída nos próximos 10 anos. A maior parte das florestas tropicais na Ásia está na Indonésia, espalhadas pelas ilhas, na península Malaia, Malásia, Tailândia, Myanmar, em Laos e no Camboja.  Essas florestas são berço de espécies muito ameaçadas de extinção como orangotangos e elefantes asiáticos. (ecodebate)

Nenhum comentário: