quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Eliminar as emissões de usinas a carvão na Índia e na China aumentará anos à vida

Eliminar as emissões das usinas a carvão na Índia e na China pode acrescentar anos à vida das pessoas.
Nova pesquisa [The impact of power generation emissions on ambient PM2.5 pollution and human health in China and India] calcula mudanças na mortalidade e expectativa de vida devido à geração de energia.
Os 2,7 bilhões de pessoas que vivem na China e na Índia – mais de um terço da população mundial – costumam respirar um pouco do ar mais sujo do planeta. A poluição do ar é um dos maiores contribuintes para a morte em ambos os países, ocupando o 4º lugar na China e 5º na Índia, e as emissões nocivas de centrais a carvão são um dos principais fatores contribuintes.
Em um estudo recente, pesquisadores da Universidade de Harvard queriam saber como a substituição de usinas a carvão na China e na Índia por energia limpa e renovável poderia beneficiar a saúde humana e salvar vidas no futuro.
Os pesquisadores descobriram que eliminar as emissões nocivas das usinas de geração de energia poderia economizar cerca de 15 milhões de anos de vida na China e 11 milhões de anos de vida na Índia.
Pesquisas anteriores exploraram a mortalidade pela exposição ao material particulado fino (conhecido como PM2.5) na Índia e na China, mas poucos estudos quantificaram o impacto de fontes específicas e regiões de poluição e identificaram estratégias eficientes de mitigação.
Usando modelos de química atmosférica de última geração, os pesquisadores calcularam mudanças anuais específicas em termos de mortalidade e expectativa de vida devido à geração de energia. Usando a abordagem específica da província, os pesquisadores conseguiram restringir as áreas de maior prioridade, recomendando atualizações para as tecnologias existentes de geração de energia nas províncias de Shandong, Henan e Sichuan, na China, e Uttar Pradesh, na Índia, devido às suas contribuições dominantes aos riscos atuais à saúde.
“Este estudo mostra como os avanços na modelagem e expansão das redes de monitoramento estão fortalecendo a base científica para estabelecer prioridades ambientais para proteger a saúde dos cidadãos chineses e indianos”, disse Chris Nielsen, diretor executivo do Projeto Harvard-China e coautor do estudo. “Isso também mostra em que medida os países de renda média poderiam se beneficiar com a transição para fontes de eletricidade não-fósseis à medida que crescem”. (ecodebate)

Nenhum comentário: