terça-feira, 19 de março de 2019

Risco de ataque cardíaco induzido pelo calor em ascensão

Mudanças Climáticas: risco de ataque cardíaco induzido pelo calor em ascensão.
Ataque cardíaco aumenta pelo calor.
Risco de sofrer um ataque cardíaco induzido pelo calor aumentou significativamente nos últimos anos.
Ataque cardíaco, ou infarto do miocárdio, é a causa número um de morte em todo o mundo. Um estudo publicado no European Heart Journal por cientistas do Helmholtz Zentrum München e colegas de uma série de outras instituições da Baviera mostra que o risco de sofrer um ataque cardíaco induzido pelo calor aumentou significativamente nos últimos anos. Durante o mesmo período de tempo, não foram registradas mudanças comparáveis nos riscos de ataques cardíacos em climas frios.
O ambiente pode ter um efeito importante no sistema cardiovascular humano. Há muito se presume que picos severos de temperatura aumentam o risco de ataque cardíaco. “No caso de temperaturas muito altas e muito baixas em particular, isso foi claramente demonstrado. Neste último estudo, queríamos ver até que ponto o risco de ataque cardíaco relacionado ao calor e ao frio mudou ao longo dos anos”, explica o Dr. Kai Chen, pesquisador do Instituto de Epidemiologia da Helmholtz Zentrum München.
Juntamente com colegas da Universidade Ludwig Maximilian em Munique, Hospital Universitário de Augsburg e Hospital Nördlingen, ele examinou dados do Registro de Infarto do Miocárdio em Augsburg. O estudo analisou mais de 27.000 pacientes de ataque cardíaco entre 1987 e 2014. A idade média dos pacientes estudados foi de cerca de 63, 73% eram homens e cerca de 13.000 terminaram com a morte do paciente. Os ataques cardíacos individuais foram comparados com dados meteorológicos no dia do ataque e ajustados para uma série de fatores adicionais, como o dia da semana e o status socioeconômico. A principal conclusão do estudo, explica Chen, é que “em um período de 28 anos, descobrimos que houve um aumento no risco de ataque cardíaco induzido pelo calor nos últimos anos”.
Para demonstrar isso, os pesquisadores compararam dados de 1987 a 2000 com dados de 2001 a 2014. “Nossa análise mostrou que, nos últimos anos, o risco de ataque cardíaco induzido por calor com o aumento da temperatura média diária aumentou em comparação com período de inquérito anterior ”, explica Chen. Indivíduos com diabetes ou hiperlipidemia estavam particularmente em risco no último período. Os pesquisadores suspeitam que isso seja parcialmente resultado do aquecimento global, mas que isso também é consequência de um aumento nos fatores de risco, como diabetes e hiperlipidemia, que tornaram a população mais suscetível ao calor.
A mudança climática é um risco de ataque cardíaco?
“Nosso estudo sugere que uma maior consideração deve ser dada às altas temperaturas como um potencial gatilho para ataques cardíacos – especialmente em vista da mudança climática”, explica a pesquisadora Dra. Alexandra Schneider. “Eventos climáticos extremos, como as ondas de calor de 2018 na Europa, podem no futuro resultar em um aumento das doenças cardiovasculares”. Ao mesmo tempo, é provável que haja uma diminuição nos ataques cardíacos relacionados ao frio aqui na Alemanha. Nossa análise sugere um risco menor no futuro, mas esse risco menor não foi significativo e dias muito frios continuarão a representar um gatilho potencial para ataques cardíacos. Até que ponto os aumentos nos ataques cardíacos relacionados ao calor serão contrabalançados por uma diminuição ataques cardíacos relacionados ao frio ainda não está claro, explica o epidemiologista.
Além disso, os pesquisadores também planejam corroborar seus achados, realizando estudos multicêntricos adicionais.
Sinais de alerta
Nos dias de muito calor, fique atento aos seguintes sinais que podem indicar um infarto ou AVC:
Dor no peito que pode irradiar para o braço, para as costas ou para o queixo.
Sensação estranha na garganta;
Ansiedade;
Batimento cardíaco acelerado;
Tontura ou dor de cabeça.
Ao observar estes sintomas deve-se tentar sentar a vítima e afrouxar suas roupas e chamar uma ambulância. (ecodebate)

Nenhum comentário: