domingo, 23 de junho de 2019

Recifes de coral podem não sobreviver à acidificação dos oceanos

Acidificação dos oceanos ameaça corais.
O estudo foi conduzido por pesquisadores do Centro de Excelência ARC de Coral Reef Studies (Coral CoE). Seus resultados sugerem que alguns corais e algas coralinas – a “cola” que mantém os recifes juntos – não podem sobreviver aos esperados oceanos mais ácidos causados pela mudança climática.
“Os resultados validam pesquisas anteriores sobre ameaças de acidificação dos oceanos aos recifes de corais”, disse o principal autor do estudo, Dr. Steeve Comeau, que atualmente trabalha no Laboratório de Océantropia de Villefranche sur Mer da Sorbonne Université CNRS, na França.
Coautor Prof Malcolm McCulloch, de Coral CoE na Universidade da Austrália Ocidental, disse que os pesquisadores examinaram o líquido calcificante de quatro espécies de coral e dois tipos de algas coralinas, sob uma simulação de um ano de duração.
A acidificação do oceano, uma das consequências das mudanças climáticas, reduz o instinto de sobrevivência dos peixes e os expõe aos predadores.
“Os efeitos sobre o fluido calcificante foram rápidos e persistiram durante todo o ano”, disse o professor McCulloch.
O coautor Dr. Chris Cornwall, agora na Universidade Victoria de Wellington na Nova Zelândia, explicou que as algas coralinas cimentam os recifes, agindo como uma espécie de fundação e terreno fértil para muitas espécies desde os polos até os trópicos.
“Declínios em algas coralinas podem levar à perda de espécies marinhas importantes que usam as algas como viveiro”, explicou ele.
“Os resultados também confirmam que a acidificação dos oceanos pode ter repercussões na competição entre espécies. Isso pode afetar a função ecológica dos recifes”, acrescentou Comeau.
Ele disse que a equipe encontrou duas espécies de corais resistentes à acidificação dos oceanos. No entanto, estes são os corais que eram resistentes desde o início.
“Isso indica que eles já tinham um mecanismo embutido que os tornava resistentes”, explicou ele, “enquanto os corais sensíveis foram afetados desde o início e não foram capazes de se aclimatar”.
O estudo sugere que a composição e a função dos futuros recifes – se eles sobreviverem às mudanças climáticas – serão muito diferentes do que vemos hoje.
Algas coralinas Crustose entre algas marrons, ilha de Rottnest. (ecodebate)

Nenhum comentário: