quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Contribuição humana na onda de calor recorde na Europa em julho/2019

Estudo indica a contribuição humana para a onda de calor recorde de julho/2019 na Europa.
Após o calor extremo que ocorreu na última semana de junho de 2019, uma segunda onda de calor recorde atingiu a Europa Ocidental e a Escandinávia no final de julho/2019.
Em junho, novos recordes de todos os tempos foram estabelecidos em vários lugares da Europa Ocidental. Em julho, os registros foram quebrados novamente, embora em diferentes áreas. Mais uma vez, o papel da mudança climática na produção de eventos de alta amplitude foi questionado.
Classificação das temperaturas máximas anuais observadas na Europa em 2019, em comparação com 1950 a 2018, com base no conjunto de dados E-OBS (Haylock et al., 2008, versão 19, estendido com atualizações mensais e diárias até 30/07/2019). Esta figura é feita com dados preliminares e deve ser tomada com cuidado, pois algumas medidas ainda não foram validadas.
Este estudo avalia como as mudanças climáticas induzidas pelo homem alteraram a probabilidade e a intensidade do evento de julho ou eventos similares. Ele usa um grande número de simulações climáticas que estavam disponíveis no momento do estudo (8 conjuntos de 10 para mais de 100 simulações cada). Definimos o evento como a classe de eventos que excedem os valores observados de temperaturas médias diárias em média durante 3 dias para alguns locais na Europa Ocidental. Três dias seguidos de altas temperaturas são frequentemente considerados como o comprimento mínimo para uma magia quente ter potenciais impactos na saúde.
Combinamos informações de longas séries de observações e simulações de modelos climáticos para obter as melhores estimativas de mudanças na probabilidade e intensidade de um evento como (ou mais severo que) as temperaturas extremas observadas em julho na Europa Ocidental atribuível a mudanças climáticas induzidas pelo homem. Os poucos locais de observação foram selecionados para incluir uma grande assinatura de onda de calor de julho e ter registros longos e homogêneos com as menores perturbações dos efeitos das ilhas de calor urbanas. Utilizamos modelos estatísticos de extremos, como o modelo Generalized Extreme Values, e os aplicamos a observações e simulações. Isso nos permite avaliar:
(i) a habilidade dos modelos em simular extremos
(ii) como a mudança climática alterou as chances de extremos. Modelos que não representaram bem as ondas de calor foram retirados da análise.
Principais conclusões
# Uma segunda onda de calor recorde de 3-4 dias ocorreu na Europa Ocidental na última semana de julho/2019, com temperaturas superiores a 40 graus em muitos países, incluindo Bélgica e Holanda, onde as temperaturas acima de 40°C foram registradas pela primeira vez. No Reino Unido, o evento foi de curta duração (1-2 dias), mas uma nova temperatura máxima diária histórica foi registrada, excedendo o recorde anterior estabelecido durante a perigosa onda de calor de agosto/2003.
# Em contraste com outras ondas de calor que foram atribuídas na Europa Ocidental antes, este calor de julho também foi um evento raro no clima atual na França e na Holanda. Lá, as temperaturas observadas, em média ao longo de 3 dias, foram estimadas para ter um período de retorno de 50 anos a 150 anos no clima atual. Observe que os períodos de retorno das temperaturas variam entre diferentes medidas e locais, portanto, são altamente incertos.
# Combinando informações de modelos e observações, descobrimos que tais ondas de calor na França e na Holanda teriam períodos de retorno que são cerca de cem vezes maiores (pelo menos 10 vezes) sem a mudança climática. Na França e na Holanda, essas temperaturas teriam uma chance muito pequena de ocorrer sem a influência humana no clima (períodos de retorno superiores a ~ 1000 anos).
# No Reino Unido e na Alemanha, o evento é menos raro (períodos de retorno estimados em torno de 10 a 30 anos no clima atual) e a probabilidade é cerca de 10 vezes maior (pelo menos 3 vezes) devido à mudança climática. Tal evento teria períodos de retorno de algumas dezenas a algumas centenas de anos sem mudança climática.
# Em todos os locais, um evento como o observado teria sido de 1,5 a 3ºC mais frio em um clima inalterado.
# Quanto à onda de calor de junho, descobrimos que os modelos climáticos apresentam vieses sistemáticos na representação das ondas de calor nessas escalas de tempo e mostram tendências 50% menores do que as observações nesta parte da Europa e variabilidade ano a ano muito maior do que as observações. Apesar disso, os modelos ainda simulam mudanças muito grandes de probabilidade.
# Ondas de calor durante o auge do verão representam um risco substancial para a saúde humana e são potencialmente letais. Esse risco é agravado pelas mudanças climáticas, mas também por outros fatores, como o envelhecimento da população, a urbanização, a mudança das estruturas sociais e os níveis de preparação. O impacto total só é conhecido após algumas semanas, quando os números de mortalidade foram analisados. Planos eficazes de emergência de calor, juntamente com previsões meteorológicas precisas, como as emitidas antes dessa onda de calor, reduzem os impactos e estão se tornando ainda mais importantes à luz dos riscos crescentes.
# Vale ressaltar que todas as ondas de calor analisadas até o momento na Europa nos últimos anos (2003, 2010, 2015, 2017, 2018, junho/2019, neste estudo) mostraram ser mais prováveis e mais intensas devido à mudança climática induzida pelo homem.
Quanto mais depende muito da definição do evento: localização, época, intensidade e duração. A onda de calor de julho/2019 foi tão extrema sobre a Europa Ocidental continental que as magnitudes observadas teriam sido extremamente improváveis sem a mudança climática. (ecodebate)

Nenhum comentário: