terça-feira, 15 de outubro de 2019

Iceberg gigantesco se desprende na Antártida

Bloco de gelo tem área maior do que a da cidade de São Paulo. Esse é o maior desprendimento registrado desde o início da década de 1960.
Imagens do satélite Sentinel 1 mostram desprendimento de iceberg
Um iceberg de 1.580 km2, área maior que a da cidade de São Paulo (1.521 km2), se desprendeu da plataforma de gelo Amery, uma das maiores da Antártida. O fenômeno já era esperado por pesquisadores.
O novo iceberg, chamado D28, se desprendeu totalmente da plataforma no último dia 25 de setembro. A informação foi divulgada em 30/09/2019 pelo Twitter do programa de observação da Terra da União Europeia em parceria com a Agência Espacial Europeia, Copernicus.
O tweet mostra duas imagens capturadas e processadas pelo satélite Sentinel 1. Na primeira, de 20 de setembro, é possível ver uma rachadura em Amery. Na segunda, registrada de cinco dias depois, o iceberg já está completamente separado da plataforma de gelo.
O último grande desprendimento de um iceberg gigantesco na Antártida ocorreu no início da década de 1960, segundo a Nasa, quando um bloco de 9.800 km2 se rompeu.
Especialistas disseram que o desprendimento não tem relação com as mudanças climáticas. "Há muito com o que se preocupar na Antártida, mas não há motivo de alarme não esse caso particular", afirmou Helen Fricker, do Instituto de Oceanografia Scripps à emissora britânica BBC.
O fim triste das geleiras.
Morte de uma geleira.
A Islândia prestou homenagem à primeira geleira do país a desaparecer devido às mudanças climáticas. Okjökull perdeu seu status de geleira em 2014. Em 18 de agosto, o país realizou um funeral simbólico e inaugurou uma placa de cobre em homenagem à geleira morta. "Nos próximos 200 anos todas as nossas principais geleiras deverão seguir o mesmo caminho", prevê a mensagem cravada na placa.
Risco na Antártida
Acredita-se que a geleira Thwaites, parte da camada de gelo da Antártida Ocidental, represente um grande risco para o aumento do nível do mar no futuro. Caso derreta, o bloco gelado pode elevar em 50 centímetros o nível do mar, segundo revelou um estudo da NASA no início de 2019. A Antártida abriga 50 vezes mais gelo do que todas as geleiras de montanha do mundo juntas.
Beleza ameaçada na Patagônia
A galeira Grey, no Chile, fica nos campos gelados da Patagônia, que representam a maior extensão de gelo do Hemisfério Sul fora da Antártida. Pesquisadores estão monitorando de perto o derretimento na região, já que isso poderia ajudá-los a entender o que pode acontecer com outras geleiras, como as da Antártida e da Groenlândia, em climas mais quentes no futuro.
Geleira empacotada
A geleira do Ródano, na Suíça, dá origem ao rio Ródano. Há vários anos cientistas têm coberto seu gelo com mantas brancas resistentes aos raios ultravioleta durante o verão, na tentativa de retardar seu derretimento. Pesquisadores acreditam que o clima mais quente poderá erradicar dois terços do gelo nas geleiras alpinas até o final deste século.
Derretimento na Nova Zelândia
A geleira Franz Josef, na Ilha Sul da Nova Zelândia, é um destino turístico popular. A massa de gelo costumava seguir um padrão cíclico de avanço e recuo. Mas, desde 2008, Franz Josef vem diminuindo rapidamente. Se antes os guias costumavam levar os turistas a pé diretamente até o glaciar, agora a única maneira de alcançá-lo é de helicóptero.
O gelo africano desaparece
As geleiras do monte Kilimanjaro também estão em risco. Em 2012, pesquisadores apoiados pela NASA estimaram que o gelo restante na montanha mais alta da África deve desaparecer até 2020. O Kilimanjaro é uma das principais atrações turísticas da Tanzânia e um gerador crucial de receita num país onde a maioria das pessoas vive abaixo do limite da pobreza.
Perigo no meio do rio
O estado americano do Alasca abriga milhares de geleiras. Um estudo divulgado em 2019 revelou que algumas delas estão derretendo 100 vezes mais rápido do que os cientistas previam anteriormente. Em agosto de 2019, dois alemães e um austríaco foram encontrados mortos após andar de caiaque num lago em Valdez. Autoridades acreditam que os turistas morreram pela queda de gelo glacial.
Esta cresce, mas não o suficiente
Jakobshavn, a maior geleira da Groenlândia, está crescendo, conforme revelou um estudo da NASA no início de 2019. Mas, embora uma borda da geleira tenha engrossado ligeiramente desde 2016, a camada de gelo em geral ainda está derretendo rapidamente, superando em muito a expansão. Cientistas acreditam que o crescimento se deva a um afluxo de água fria do Atlântico Norte, um fenômeno temporário. (dw)

Nenhum comentário: