segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Modelos climáticos acertaram nas mudanças de temperatura projetadas

Estudo confirma que os modelos climáticos acertaram nas mudanças de temperatura projetadas.
Os modelos que os cientistas climáticos usaram nas últimas décadas para projetar mudanças de temperatura geralmente têm sido muito precisos, conclui um novo estudo revisado por pares.
Por que é importante: serve para refutar os oponentes conservadores de propostas que visam reduzir as emissões, que há muito argumentam que os modelos não acertaram como parte de ataques mais amplos à ciência climática.
O que eles descobriram: O estudo da Geophysical Research Letters revisou o desempenho de 17 modelos publicados entre 1970 e 2007.
“Não encontramos evidências de que os modelos climáticos avaliados neste artigo tenham superestimado sistematicamente ou subestimado o aquecimento durante o período de projeção”, afirma o documento.
Mudanças climáticas têm grande impacto nos oceanos.
“Em geral, as projeções de modelos climáticos anteriores avaliadas nesta análise foram hábeis em prever o subsequente aquecimento [temperatura média da superfície global] nos anos após a publicação”.
Alguns, no entanto, mostraram muito e outros muito pouco.
O quadro geral: os modelos climáticos analisam a relação física entre as emissões de gases de efeito estufa e a temperatura, além de outros fatores, incluindo variáveis ​​de emissões influenciadas pelo homem, como crescimento econômico e mudança tecnológica.
Como Vox coloca, trata-se de “prever física versus prever humanos”.
Se você simplesmente observar o quão bem os modelos previram mudanças de temperatura que ocorreram mais tarde, 10 de 17 foram essencialmente precisos – “praticamente indistinguíveis das observações”, como observa esta história do Washington Post.
Mas se você observar o desempenho dos modelos na avaliação da relação entre a alteração das concentrações e da temperatura da estufa, eles se saíram ainda melhor.
14 dos 17 eram “consistentes com as observações”, observa o artigo e “estatisticamente indistinguíveis do que realmente ocorreu”, escreve o coautor Gavin Schmidt em um post no blog.
Indicadores Climáticos. (ecodebate)

Nenhum comentário: