sábado, 11 de janeiro de 2020

Pesquisadores avaliam efeitos generalizados do aquecimento polar

Emergência Climática: Pesquisadores avaliam efeitos generalizados do aquecimento polar.
Com 2019 no ritmo de um dos anos mais quentes já registrados, um grande novo estudo da Universidade da Califórnia, Davis, revela a rapidez com que o Ártico está se aquecendo e examina as consequências globais do aquecimento polar contínuo.
O estudo [The polar regions in a 2°C warmer world], publicado na revista Science Advances, relata que o Ártico aqueceu 0,75°C na última década. Em comparação, a Terra como um todo aqueceu quase a mesma quantidade, 0,8°C, nos últimos 137 anos.
“Muitas das mudanças na década passada são tão dramáticas que você se pergunta o que a próxima década de aquecimento trará”, disse o principal autor Eric Post, professor de ecologia das mudanças climáticas da UC Davis. “Se ainda não entramos no novo Ártico, certamente estamos no limiar”.
Consequências para as regiões polares
O relatório abrangente representa os esforços de uma equipe internacional de 15 autores especializados em várias disciplinas, incluindo ciências da vida, da terra, sociais e políticas. Eles documentaram os efeitos generalizados do aquecimento no Ártico e na Antártica na vida selvagem, meios de subsistência humanos tradicionais, vegetação de tundra, liberação de metano e perda de gelo marinho e terrestre. Eles também examinaram as consequências para as regiões polares enquanto a Terra se aproxima do aquecimento de 2°C, um marco comumente discutido.
“Em um cenário de negócios como de costume, a Terra como um todo pode atingir esse marco em cerca de 40 anos”, disse Post. “Mas o Ártico já está lá durante alguns meses do ano e pode atingir 2ºC de aquecimento em uma base média anual assim que 25 anos antes do resto do planeta.”
O estudo ilustra o que 2°C do aquecimento global pode significar para as altas latitudes: até 7°C para o Ártico e 3°C para a Antártica durante alguns meses do ano.
Os autores dizem que medidas ativas de curto prazo para reduzir as emissões de carbono são cruciais para desacelerar o aquecimento em alta latitude, especialmente no Ártico.
Além dos polos
Post enfatiza que as principais consequências do aquecimento projetado na ausência de mitigação de carbono deverão atingir além das regiões polares. Entre eles estão o aumento do nível do mar resultante do derretimento rápido do gelo terrestre no Ártico e na Antártica, bem como o aumento do risco de clima extremo, ondas de calor mortais e incêndios em partes do Hemisfério Norte.
“O que acontece no Ártico não fica no Ártico”, disse o coautor Michael Mann, distinto professor de ciências atmosféricas da Penn State. “O dramático aquecimento e derretimento do gelo do Ártico está afetando a corrente de jato de uma maneira que nos dá extremos climáticos mais persistentes e prejudiciais”. (ecodebate)

Nenhum comentário: