sábado, 21 de novembro de 2009

Dilma diz defender sustentabilidade

Ministra cobrou reconhecimento. Principal estrela na festa preparada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para anunciar a queda de 45% no desmatamento na Amazônia, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, reagiu às críticas de que teria vestido a camisa da causa ambiental por interesses eleitorais. Disse que, desde o início do governo, foi responsável pela política de energia limpa e renovável. "O meu compromisso sempre foi com a energia renovável." Pouco antes, em discurso de 15 minutos, Dilma cobrou reconhecimento de suas ações na área ambiental, tentando desfazer a imagem da mulher que entrava em divergências com a então ministra do Meio Ambiente, Marina Silva. Dilma tentou dar um toque pessoal no anúncio, argumentando que o porcentual foi obtido pelo modelo de desenvolvimento sustentável adotado, que não se limitou à repressão. "Não podia ter só uma proposta de coerção, reprimindo o desmatamento", disse. "Era também necessário garantir que o arco fosse considerado um arco verde, com exploração sustentável", completou, referindo-se a uma área que engloba 43 municípios do Pará, Mato Grosso e Rondônia. Dilma comentou que o trabalho do governo na região do arco do desmatamento legalizou também relações afetivas, com a realização de casamentos civis. Mas, no discurso, ela não abriu mão de planilhas e números. Dilma encerrou seu discurso afirmando que o Brasil tem muito a apresentar na Conferência do Clima em Copenhague. "O país vem fazendo o seu dever de casa e temos o objetivo de chegar a uma redução de 80% no desmatamento", disse.

Nenhum comentário: