segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Estados Unidos declaram que gases-estufa são prejudiciais

Anúncio de agência ambiental deve ajudar Obama em negociações de metas para o país na Cop-15. A posição a ser defendida pelo presidente dos EUA, Barack Obama, na 15ª Conferência do Clima foi reforçada ontem pelo anúncio da Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês) de que os gases responsáveis pelo efeito estufa são prejudiciais para o ambiente e também para saúde pública. Obama deve prometer cortar em 17% as emissões até 2020, em relação aos níveis de 2005. "Não há mais desculpas para demorar a agir. Este governo não ignorará a ciência e as leis", disse a diretora da EPA, Lisa Jackson, que discursará amanhã em Copenhagen. Com a declaração, Lisa criticou indiretamente o ex-presidente George W. Bush, que era um cético em relação ao aquecimento global ser causado pelos gases. O anúncio da EPA deve provocar alterações na regulação de diversos setores da economia americana, como a fabricação de automóveis. Dessa forma, Obama opta pelo avanço na regulação existente, já que dificilmente conseguirá mudanças na lei sobre o clima antes de sua viagem para a Dinamarca. Deputados republicanos condenaram a decisão, alegando que o presidente busca passar por cima do Congresso ao agir por meio de regulamentações, e não da legislação. Acrescentaram que o anúncio foi antecipado apenas para reforçar a posição de Obama em Copenhagen. Muitos parlamentares republicanos não acreditam que o aquecimento global seja provocado pelo homem e exigem mais provas. A agência de meio ambiente refuta as críticas dos republicanos. "Depois de examinar evidências científicas e levar em consideração a opinião pública, a EPA concluiu que os gases responsáveis pelo efeito estufa ameaçam a saúde pública e o bem-estar da população americana. A EPA também afirma que os veículos contribuem para esta ameaça", afirmou comunicado oficial do órgão federal. Segundo Lisa, "estas descobertas colocam 2009 na história como ano em que o governo dos EUA começou a levar em conta a ameaça dos gases do efeito estufa, criando a oportunidade para uma reforma energética". Os veículos, de acordo com a EPA, são responsáveis por 23% do total da emissão dos Estados Unidos. A agência busca, portanto, reduzir os padrões dos veículos para modelos mais econômicos. Mas Câmara do Comércio diz que as fábricas podem simplesmente deixar os EUA e levar a produção para outros países.

Nenhum comentário: