domingo, 27 de junho de 2010

Compreendendo o ‘Efeito Estufa’

O Efeito Estufa é a forma que a Terra tem para manter sua temperatura constante. A vida na terra é possível graças ao efeito estufa. A atmosfera é altamente transparente à luz solar, porém cerca de 35% da radiação que recebemos vai ser refletida de novo para o espaço, ficando os outros 65% retidos na Terra. O efeito estufa acontece quando a retenção de calor ultrapassa os 65%, pois os gases de efeito estufa impedem a reflexão dos 35%. Isto ocorre principalmente devido ao efeito sobre os raios infravermelhos dos gases como o dióxido de carbono, metano, óxidos de azoto e ozônio presentes na atmosfera (totalizando menos de 1% da composição da atmosfera). A física contribui explicando que as radiações eletromagnéticas (REM) que ingressam na atmosfera tem pequeno comprimento de onda e alta frequência, enquanto que as radiações que devem deixar a atmosfera teriam baixa frequência e alto comprimento de onda e por isso tem dificuldade de atravessar as nuvens formadas pelos gases de efeito estufa. Os gases vão reter esta radiação na Terra, fazendo com que ocorra o efeito calorífico dos mesmos, que é um efeito adicional de calor desnecessário para a vida na terra e causa transtornos. Nos últimos anos, a concentração de dióxido de carbono na atmosfera tem aumentado cerca de 0,4% anualmente; este aumento se deve à utilização de petróleo, gás e carvão e à destruição das florestas tropicais. A concentração de outros gases que contribuem para o efeito estufa, tais como o metano e os clorofluorcarbonetos também aumentaram rapidamente. O efeito conjunto de tais substâncias pode vir a causar um aumento da temperatura que é estimado pelos cientistas do IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change da ONU) entre 2 e 6 ºC nos próximos 100 anos. Um aquecimento desta ordem de grandeza não só irá alterar os climas em nível mundial como também irá aumentar o nível médio das águas do mar em, pelo menos, 30 cm, o que poderá interferir na vida de milhões de pessoas habitando as áreas costeiras mais baixas. Se a terra não fosse coberta por um manto de ar, a atmosfera seria demasiado fria para a vida. As condições seriam hostis à vida, a qual de tão frágil que é, bastaria uma pequena diferença nas condições iniciais da sua formação, para que nós não pudessemos estar aqui, discutindo o assunto. O efeito estufa consiste, basicamente, na ação do dióxido de carbono e outros gases sobre os raios infravermelhos refletidos pela superfície da terra, que remetem estes raios de volta para a terra, mantendo assim uma temperatura estável no planeta. Ao irradiarem a Terra parte dos raios luminosos oriundos do Sol são absorvidos e transformados em calor, outros são refletidos para o espaço. Quando este fenômeno é maior que o necessário, o excesso de calor causa o aquecimento global. Independentemente da linha de raciocínio que se esteja adotando, parece inegável que estes fenômenos de natureza antrópica e conhecidos como poluição contribuam para o aquecimento da terra, além de eventuais alterações ainda não mensuradas de fatores geológicos. É apenas um problema de proporção da contribuição. Poucos raios retornados para o espaço sideral chegam a deixar a Terra, em consequência da ação refletora que os chamados “Gases de Efeito Estufa” (dióxido de carbono, metano, clorofluorcarbonetos- CFCs- e óxidos de azoto) têm sobre tal radiação.A camada de gases de efeito estufa envia novamente esta radiação para a superfície terrestre na forma de raios infravermelhos, que causam o excesso de aquecimento, alterando os climas na superfície do planeta terra, com os efeitos que todos nós estamos vivenciando. (Ecodebate)

Nenhum comentário: