sábado, 9 de fevereiro de 2013

Poluição do ar e recém-nascidos com menor peso

Poluição do ar eleva risco de recém-nascidos com menor peso, indica estudo internacional
Pesquisadores investigaram impacto da poluição do ar em mulheres grávidas
Mulheres grávidas que residem em áreas expostas a níveis significativos de poluição atmosférica têm mais chance de dar à luz a bebês abaixo do peso, indica um novo estudo [Maternal Exposure to Particulate Air Pollution and Term Birth Weight: A Multi-Country Evaluation of Effect and Heterogeneity] realizado por uma rede internacional de cientistas.
Bebês que nascem com menos de 2,5 kg, considerados de baixo peso, correm maior risco de morrer porque são mais suscetíveis a desenvolverem doenças como diabetes ou cardiopatias quando adultos, dizem os especialistas.
A pesquisa, a maior do tipo já realizada, considerou dados de mais de 3 milhões de nascimentos em nove países.
As conclusões indicam que, ainda que o impacto da poluição sobre o peso de um bebê isoladamente seja pequeno, em relação ao conjunto da população a influência é significativa.
Partículas
O estudo, divulgado na publicação científica Environmental Health Perspectives, se concentrou nos efeitos de dois tipos de pequenas partículas com carbono chamadas PM10 e PM2,5, que são associadas pelos cientistas a problemas nos pulmões e no coração, além de morte prematura.
Os pesquisadores analisaram o impacto sobre gestantes de um aumento de dez microgramas por metro cúbico em exposição média a partículas de poluição no decorrer da gravidez.
A conclusão foi que, com o aumento da concentração das partículas PM10, houve um aumento na possibilidade do recém-nascido ter peso abaixo do normal em 0,03%. No caso das PM 2,5, menores que as PM10, foi constatado um aumento de 10% nessa possibilidade.
As descobertas indicam ainda que a relação entre o peso do bebê e o nível de poluição é inversamente proporcional. Ou seja, quanto maior a poluição, menor é o peso médio do bebê.
“O que é significativo é que todo mundo está exposto a tais níveis de poluição atmosférica”, disse Tracey Woodruff, pesquisadora da Universidade de Los Angeles, nos Estados Unidos, e uma das responsáveis pelo estudo.
Para Tony Fletcher, professor de Epidemiologia Ambiental da London School of Hygiene and Tropical Medicine, “o estudo é de excelente qualidade, e as conclusões são claras”.
“Ainda que o efeito médio (da poluição) sobre cada bebê seja pequeno e não seja algo que deva preocupar futuros pais, se considerarmos a população como um todo, esse pequeno risco se multiplica por milhares de pessoas.” (EcoDebate)

Nenhum comentário: