quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Temperatura subirá até 6°C no País

Estudo mostra que oscilações de dias muito quentes e muito frios registradas neste inverno já são sinais das mudanças climáticas.
A alternância de dias muito quentes e muito frios que o País viveu neste inverno, se olhada individualmente, pode ser explicada pela variação normal do clima. Mas se observada dentro de uma sequência de oscilações de eventos extremos ao longo dos últimos anos pode ser interpretada como mais um sinal de que as mudanças climáticas já estão acontecendo.
Essa é uma das conclusões que podem ser tiradas do primeiro relatório de avaliação nacional que o Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC) divulgou em 09/09/13 em São Paulo. O trabalho é resultado do esforço de 345 pesquisadores, das mais diferentes áreas, que avaliaram estudos feitos desde 2007 sobre os impactos do aquecimento global no Brasil.
"Oscilações de extremos são coincidentes com as mudanças climáticas. Com o aquecimento da atmosfera, ela fica mais instável, o que cria uma variabilidade de extremos. Do muito quente para o muito frio. Do muito úmido para o muito seco", explica o meteorologista Tercio Ambrizzi, da USP, coordenador do grupo de trabalho 1 do painel.
Ao analisar o histórico de ocorrência desses eventos, os pesquisadores observaram que, nos últimos 30 anos, tem aumentando a frequência de chuvas fortes (com mais de 60 milímetros de água) no inverno do Sul e do Sudeste, onde a estação é seca. "Isso não ocorria antes dos anos 70, por exemplo. Se fosse uma ou outra chuva só, poderia ser uma simples variação, mas o aumento desses eventos nos diz que algo está diferente. É uma resposta local às mudanças globais", afirma.
O mesmo vale, diz ele, para as duas secas históricas experimentadas pela Amazônia em 2005 e 2010.
Esse olhar sobre o passado, somado aos trabalhos com modelagens climáticas, ajuda a entender o que as projeções têm indicado para as próximas décadas. O relatório mostra uma elevação de temperatura de 2,5°C a 5°C nos meses de verão, e de 3°C a 6°C no inverno, até o final do século. A variação depende do bioma analisado.
Em relação às chuvas, há uma previsão de diminuição de até 50% no inverno no Nordeste e aumento de até 35% no Rio Grande do Sul (veja quadro abaixo). "O que as projeções mostram coincide com o que já estamos sentindo", comenta Ambrizzi. Em geral, o relatório aponta para o aumento de períodos de seca prolongada e de chuva forte, assim como a ocorrência de fenômenos naturais com forte poder de destruição.
Consequências
Além da base científica das mudanças climáticas, o trabalho analisa também os impactos que elas terão nos diversos setores da economia, as principais vulnerabilidades do País e também sobre como ele está se adaptando ao que está por vir. Esses são os temas do grupo de trabalho 2. Há ainda um terceiro, que aborda como o Brasil está mitigando suas emissões de gases de efeito estufa.
De acordo com o engenheiro agrícola Eduardo Assad, da Embrapa, os estudos mostram uma tendência de que a mudança do clima afete a oferta hídrica. Rios do leste do Amazonas e do Nordeste do Brasil podem sofrer uma redução de vazão de 20%. Os da bacia do Tocantins, de até 30%. Já os da bacia do Prata, na região Sul, poderão ter aumento de 10% a 40%.
"Isso pode trazer problemas para a oferta energética na Amazônia, justamente onde estão concentrados os esforços do governo para a construção de hidrelétricas", diz Assad.
Outro impacto poderá ser observado sobre os ecossistemas oceânicos. Segundo Assad, nos próximos 40 anos eles poderão sofrer uma redução de 6% do potencial máximo de pesca. "O que percebemos nesse levantamento, porém, é que há várias lacunas científicas. E uma delas é justamente sobre essa região, onde vive a maior parte da população do Brasil e muitas pessoas dependem desses recursos."
Para entender
O Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC) é um organismo científico composto por 345 pesquisadores, que foi criado em 2009 pelos ministérios da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente para reunir, sintetizar e avaliar informações científicas sobre os impactos relevantes das mudanças climáticas no Brasil. Seu primeiro relatório, divulgado em 09/09/13 na 1a Conferência Nacional das Mudanças Climáticas Globais, organizada pela FAPESP, é um retrato do que melhor se conhece dos impactos que o aquecimento global terá no País.
O PBMC foi elaborado no mesmo modelo do Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas (IPCC), da ONU, que também elabora relatórios de nível mundial sobre as mudanças climáticas. (OESP)

Nenhum comentário: