domingo, 25 de outubro de 2015

Obra contra rodízio de água não funciona direito

Principal obra contra rodízio de água não funciona direito
A principal obra da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) para evitar o rodízio na Grande São Paulo ainda funciona de maneira precária mais de 20 dias após a inauguração, em 30 de setembro.
A obra, que sofreu atrasos, foi uma alternativa do governo do Estado para socorrer o sistema Alto Tietê, que em 24/10/15 estava com 13,8% de sua capacidade.
Já o Rio Grande, com 86,2%.
Com a obra, a companhia pretendia retirar 4.000 litros de água por segundo do sistema Rio Grande e levar para o sistema Alto Tietê por meio de 11,5 km.
Mas a retirada está limitada a 1.000 litros desde o dia 9 de outubro.
Resposta
A Secretaria de Estado de Saneamento e Recursos Hídricos disse que a obra foi executada dentro do "maior rigor técnico" e com o "devido aval" dos órgãos reguladores do meio ambiente, como a Cetesb e o DAEE.
Segundo a nota, o problema ocorrido em Ribeirão Pires não tem relação com a capacidade do rio Taiaçupeba-Mirim de dar vazão à água, mas sim com a força com que a água chegava ao leito.
Por isso, o bombeamento está com operação assistida.
Para a secretaria, o rio não transbordou.
"O que houve foi um assoreamento, causando refluxo da galeria pluvial", diz.
A pasta diz ainda que o DAEE trabalha nas margens do rio para evitar novos problemas.
A secretaria promete que, "em questão de dias", a transposição alcançará a sua força total, de 4.000 litros/segundo.
A assessoria de imprensa da Sabesp afirmou, sobre os documentos da obra, que apresentou a planta conforme solicitação da reportagem. (uol)

Nenhum comentário: