domingo, 15 de maio de 2016

Aquecimento global compromete as condições de trabalho

Relatório mostra como aquecimento global compromete as condições de trabalho
O impacto das alterações climáticas sobre o trabalho não está sendo adequadamente abordado por políticas climáticas ou de emprego nacionais e internacionais.
Economias emergentes enfrentam perdas de 10% nas horas trabalhadas por causa da deterioração das condições térmicas nos locais de trabalho devido às mudanças climáticas. As perdas estimadas representam consequências adversas de uma escala semelhante à produção econômica, ou PIB, para uma ampla gama de países em desenvolvimento, incluindo Índia, Indonésia e Nigéria. Reforçar os planos atuais sob o âmbito do Acordo de Paris para cortar as emissões de gases de efeito de estufa reduz significativamente o impacto econômico e sobre a saúde pública da escalada de calor nos locais de trabalho.
Estas são algumas das conclusões do estudo Mudanças climáticas e trabalho: impactos do calor nos locais de trabalho, lançado na sede da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em Genebra, em conjunto com os 43 países-membros do Fórum dos Vulneráveis ao Clima, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), a OIT, a Organização Internacional para as Migrações (OIM), a Organização Internacional de Empregadores (OIE), UNI Sindicato Global, a Confederação Sindical Internacional (CSI), ACT Alliance e com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS).
O relatório classificou o calor excessivo no local de trabalho como um risco bastante conhecido à saúde ocupacional e à produtividade ocupacional por trás dos riscos crescentes de exaustão pelo calor, insolação e, “em casos extremos”, a morte. Ele concluiu que mais de um bilhão de empregados e seus empregadores e comunidades em países vulneráveis ​​já lidam com esse calor grave no local de trabalho, e o impacto das alterações climáticas sobre o trabalho não está sendo adequadamente abordado por políticas climáticas ou de emprego nacionais e internacionais. Para um país, o relatório constatou que as reduções ao total de horas de trabalho disponíveis devido às alterações climáticas já haviam chegado a 4% do que era estimado na década de 1990, destacando a atual natureza do desafio.
Impacto do calor no local de trabalho adiciona “outra camada de vulnerabilidade aos países em desenvolvimento que já sofrem com os impactos adversos das mudanças climáticas”.
Segundo o relatório, as regiões mais expostas incluem o sul dos Estados Unidos, América Central e Caribe, Norte da América do Sul, Norte e Oeste da África, Sul e Sudeste da Ásia. Especialmente vulneráveis ​​são os países menos desenvolvidos, pequenos Estados insulares em desenvolvimento (SIDS) e economias emergentes com altas concentrações de trabalho ao ar livre e os trabalhadores industriais e do setor de serviços que operam em condições ineficazes climatização.
Calor: relatório indica que as economias emergentes já enfrentam perdas de 10% nas horas trabalhadas por causa do clima.
Calor extremo
O relatório constata que, mesmo com o mais estrito limite de 1,5°C estabelecido no âmbito do Acordo de Paris, regiões-chave enfrentariam quase um mês inteiro de calor extremo a cada ano até 2030 (2010-2030). Esse calor reduz a produtividade, aumenta a necessidade de pausas no trabalho e eleva os riscos para a saúde e lesões ocupacionais que também implicam em menor produtividade em uma “macro escala”, segundo o estudo.
Cecelia Rebong, representante permanente das Filipinas na ONU, lembra que o impacto do calor no local de trabalho adiciona “outra camada de vulnerabilidade aos países em desenvolvimento que já sofrem com os impactos adversos das mudanças climáticas.” A necessidade de limitar o aquecimento global é “urgente e crítica”, acrescentou.
Menos eficaz
De acordo com o relatório, “quando é muito quente, as pessoas trabalham de forma menos eficaz ao ar livre, nas fábricas, no escritório ou em movimento, devido à diminuição da capacidade para o esforço físico e para completar tarefas mentais.”
“Os governos e as organizações internacionais há muito tempo estabeleceram normas sobre as condições térmicas no local de trabalho. Mas as mudanças climáticas já alteraram as condições térmicas”, e “O aquecimento adicional é um sério desafio para qualquer trabalhador ou empregador dependente de trabalho ao ar livre ou de ar não condicionado. Os níveis de calor já estão “muitos altos”, mesmo para as populações climatizadas”, detalha o relatório.
Esse estudo é baseado em pesquisas atualizadas sobre os efeitos relacionados ao trabalho para diferentes economias expostas a condições térmicas cada vez mais extremas por causa das mudanças climáticas. O desenvolvimento técnico do relatório foi baseado na pesquisa do programa de Saúde de Supressão da Produtividade e Alta Temperatura Occupational (Hothaps) do Centro de Ruby Coast Research, Mapua, Nova Zelândia, liderado por Tord Kjellstrom. (tratamentodeagua)

Nenhum comentário: