sábado, 25 de fevereiro de 2017

Cidade sofre com seca no NE

Em extrema seca, cidade brasileira corre risco de evacuação.
O drama dos moradores de Campina Grande, cidade que vive com o mínimo de água e enfrenta racionamento há anos.
Governo promete ajuda.
A luta dos moradores para salvar uma cidade inteira da seca.
As carcaças encolhidas de vacas jazem em campos chamuscados na área rural da cidade de Campina Grande, no nordeste do Brasil, e cabras famintas procuram comida no chão de terra rachada do reservatório de Boqueirão, que abastece a cidade desesperada.
Depois de cinco anos de seca, o fazendeiro Edivaldo Brito diz que não consegue se lembrar de quando o reservatório do Boqueirão estava cheio. Mas ele nunca viu isso tão vazio.
“Perdemos tudo: bananas, feijões, batatas”, disse Brito. “Temos que caminhar 3 quilômetros apenas para lavar a roupa.”
O nordeste árido do Brasil está enfrentando a pior seca registrada e Campina Grande, que tem 400 mil habitantes que dependem do reservatório, está ficando sem água.
Depois de dois anos de racionamento, os moradores reclamam que a água do reservatório está suja, malcheirosa e impossível de ser ingerida. Aqueles que podem, se dão ao luxo de comprar água engarrafada para cozinhar, lavar os dentes e até mesmo para dar seus animais de estimação.
“Se não encher, o sistema de água da cidade entrará em colapso ainda neste ano”, diz Janiro Costa Rêgo, especialista em recursos hídricos e professor de hidráulica da universidade federal de Campina Grande. “Seria um holocausto. Seria necessário evacuar a cidade.”
O governo do Brasil diz que a ajuda está a caminho.
Depois de décadas de promessas e anos de atraso, o governo diz que a transposição do maior rio do Brasil, o São Francisco, aliviará Campina Grande e os fazendeiros desesperados em quatro estados do Nordeste.
A água será bombeada sobre colinas e por meio de 400 quilômetros de canais em bacias hidrográficas secas no Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Paraíba.
Iniciado em 2005 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o projeto foi adiado por disputas políticas, corrupção e superação de custos de bilhões de dólares.
A recessão em curso no Brasil reduziu a economia do nordeste empobrecido em mais de quatro por cento durante cada um dos últimos dois anos, tornando as coisas ainda piores.
Agora, o presidente Michel Temer está acelerando a conclusão do projeto, talvez sua melhor oportunidade para aumentar o apoio a seu impopular governo em uma região há muito dominada pelo filho nativo Lula e o PT.
No início de março, Temer planeja abrir um canal que alimente o reservatório de Campina Grande na cidade de Monteiro. A água ainda levará semanas para descer o leito seco do rio Paraíba até Boqueirão.
Com a qualidade da água em Campina Grande caindo de dia, é uma corrida contra o tempo.
A luta dos moradores para salvar uma cidade inteira da seca. (yahoo)

Nenhum comentário: