domingo, 15 de abril de 2018

Aumento da frequência de eventos climáticos extremos

Novos dados confirmam aumento da frequência de eventos climáticos extremos.
Novos dados mostram que os eventos climáticos extremos tornaram-se mais frequentes nos últimos 36 anos, com um aumento significativo nas inundações e outros eventos hidrológicos comparados há cinco anos, de acordo com uma nova publicação, “Extreme weather events in Europe: Preparing for climate change adaptation: an update on EASAC’s 2013 study” pelo Conselho Consultivo Científico das Academias Europeias (EASAC), um órgão composto por 27 academias nacionais de ciências na União Europeia, Noruega e Suíça. Dado o aumento da frequência de eventos climáticos extremos, a EASAC apela a uma maior atenção à adaptação às alterações climáticas em toda a União Europeia: os líderes e os decisores políticos devem melhorar a adaptabilidade das infraestruturas e sistemas sociais da Europa a um clima em mudança.
Globalmente, de acordo com os novos dados, o número de inundações e outros eventos hidrológicos quadruplicaram desde 1980 e dobrou desde 2004, destacando a urgência da adaptação às mudanças climáticas. Eventos climatológicos, como temperaturas extremas, secas e incêndios florestais, mais que dobraram desde 1980. Eventos meteorológicos, como tempestades, duplicaram desde 1980.
Furacões: eventos climáticos já provocaram o deslocamento de cerca de 23,5 milhões de pessoas.
Esses eventos climáticos extremos carregam custos econômicos substanciais. Nos dados atualizados, as perdas por tempestades na América do Norte dobraram – de US $ 10 bilhões em 1980 para quase US $ 20 bilhões em 2015. Em uma nota mais positiva, as perdas de inundações na Europa mostram uma tendência quase estática (apesar de sua frequência aumentada), indicando que as medidas de proteção que foram implementadas podem ter provocado perdas por inundação.
O Professor Michael Norton, Diretor do Programa de Meio Ambiente da EASAC, afirma: “Nosso relatório 2013 Extreme Weather Events – que foi baseado nas descobertas da Academia Norueguesa de Ciência e Letras e do Instituto Meteorológico Norueguês – foi atualizado e os últimos dados apoiam nossas conclusões originais: tem havido e continua a haver um aumento significativo na frequência de eventos climáticos extremos, tornando a impermeabilidade ao clima ainda mais urgente. A adaptação e a mitigação devem continuar a ser a pedra angular da luta contra as alterações climáticas. divulgar sua avaliação de sua estratégia climática este ano”.

Um desligamento contemporâneo da Corrente do Golfo (AMOC) é possível?
A atualização também analisa evidências sobre os principais impulsionadores de eventos extremos. Um ponto importante do debate continua sendo se a Corrente do Golfo, ou Circulação Meridional do Atlântico (AMOC), apenas diminuirá ou poderá “desligar-se” inteiramente com implicações substanciais para o clima do Noroeste da Europa.
Monitoramentos recentes sugerem um enfraquecimento significativo, mas o debate continua sobre se a corrente do golfo pode “desligar” como resultado dos fluxos aumentados de água doce da chuva latitude norte e do derretimento da calota de gelo da Groenlândia. O EASAC observa a importância de continuar a usar dados emergentes de monitoramento oceanográfico para fornecer uma previsão mais confiável dos impactos do aquecimento global no AMOC. (ecodebate)

Nenhum comentário: