sexta-feira, 11 de maio de 2018

Variabilidade climática desestabiliza ecossistemas do oeste de USA

Variabilidade climática extrema desestabiliza os ecossistemas da costa oeste dos EUA.
Novas pesquisas mostram que a variabilidade climática extrema, ao longo do último século no oeste da América do Norte, pode estar desestabilizando os ecossistemas marinhos e terrestres.
O clima está controlando cada vez mais o comportamento síncrono do ecossistema, no qual as populações de espécies crescem e caem juntas, de acordo com o estudo financiado pela National Science Foundation, publicado na revista Global Change Biology.
A variabilidade climática é uma preocupação, uma vez que eventos extremos, como secas prolongadas ou ondas de calor, podem impactar desproporcionalmente a biologia, reduzir a resiliência e deixar um impacto duradouro. Um aumento na sincronia do clima pode expor os organismos marinhos e terrestres a maiores riscos de extinção, disse o coautor do estudo, Ivan Arismendi, ecologista aquático e professor assistente na Universidade Estadual do Oregon.
A equipe de pesquisa interdisciplinar, liderada pelo Instituto de Ciências Marinhas da Universidade do Texas, documentou que as condições atmosféricas do inverno ao longo da costa oeste da América do Norte, conhecidas como Pacífico Norte, são importantes para ecossistemas marinhos, terrestres e de água doce na Califórnia e no sudoeste dos Estados Unidos.
Os pesquisadores documentaram que a Alta do Pacífico Norte se tornou mais variável ao longo do século passado, e que essas tendências foram impressas em indicadores físicos e biológicos desde a encosta continental até a Sierra Nevada e além. Há oscilações mais dramáticas e frequentes neste padrão climático de inverno, e não apenas a variabilidade aumentou, mas também a sincronia entre os diversos ecossistemas.
“Descobrimos que terra, rios e oceanos estão fortemente relacionados a um padrão climático de inverno na costa oeste da América do Norte, e esse padrão climático se tornou mais variável ao longo do século passado”, disse o principal autor Bryan Black, professor de ciências marinhas na UT-Austin. “Essa variabilidade extrema está impactando cada vez mais nesses sistemas de água doce, terrestre e marinha, e isso fez com que eles se tornassem mais sincrônicos uns com os outros, com várias implicações para a pesca, a seca, a neve e o crescimento de árvores.”
De fato, as cronologias de anéis de árvores fornecem histórias muito mais longas do que os registros observacionais e corroboram que a variabilidade e a sincronia aumentaram nos últimos cem anos, e a níveis tão altos quanto os observados nos últimos três séculos, de acordo com os pesquisadores.

Mudanças mais frequentes e maiores no Pacífico Norte parecem originar-se da crescente variabilidade nos trópicos e estão ligadas aos eventos recordistas do El Niño em 1983, 1998 e 2016 e a onda de calor do Pacífico Norte 2014-2015 conhecida como “A gota”. (ecodebate)

Nenhum comentário: