quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Reflorestamento seria método eficaz para combater mudanças climáticas

Estudo mostra que o reflorestamento seria o método mais eficaz para combater as mudanças climáticas.
Cerca de 0,9 bilhão de hectares de terra em todo o mundo seriam adequados para o reflorestamento, o que poderia capturar dois terços das emissões de carbono produzidas pelo homem. O Crowther Lab da ETH Zurich publicou um estudo na revista Science, que mostra que este seria o método mais eficaz para combater a mudança climática.
O reflorestamento seria o método mais eficaz para combater as mudanças climáticas.
O Laboratório Crowther na ETH Zurich investiga soluções baseadas na natureza para a mudança climática. Em seu último estudo, os pesquisadores mostraram pela primeira vez que no mundo novas árvores poderiam crescer e quanto carbono armazenaria. O autor do estudo e pós-doc no Laboratório Crowther, Jean-François Bastin explica: “Um aspecto foi de particular importância para nós quando fizemos os cálculos: excluímos cidades ou áreas agrícolas do potencial total de restauração, pois essas áreas são necessárias para a vida humana”.
Reflorestar uma área do tamanho dos EUA
Os pesquisadores calcularam que, sob as atuais condições climáticas, a terra da Terra poderia suportar 4,4 bilhões de hectares de cobertura contínua de árvores. Isso é 1,6 bilhão a mais que os atuais 2,8 bilhões de hectares. Desses 1,6 bilhão de hectares, 0,9 bilhão de hectares preenchem o critério de não serem usados por humanos. Isso significa que atualmente existe uma área do tamanho dos EUA disponível para restauração de árvores. Uma vez maduras, essas novas florestas poderiam armazenar 205 bilhões de toneladas de carbono: cerca de dois terços dos 300 bilhões de toneladas de carbono que foram liberados na atmosfera como resultado da atividade humana desde a Revolução Industrial.
De acordo com o Prof. Thomas Crowther, coautor do estudo e fundador do Laboratório Crowther na ETH Zurich: “Todos sabíamos que a restauração de florestas poderia contribuir para a mudança climática, mas não sabíamos o quão grande o impacto seria. Nosso estudo mostra claramente que a restauração florestal é a melhor solução de mudança climática disponível hoje. Mas devemos agir rapidamente, pois novas florestas levarão décadas para amadurecer e atingir todo o seu potencial como fonte de armazenamento natural de carbono”.
Terra total disponível que pode suportar árvores em todo o mundo (total de áreas florestais atuais e potencial de cobertura florestal disponível para restauração).
Rússia mais adequada para reflorestamento
O estudo também mostra quais partes do mundo são mais adequadas para a restauração florestal. O maior potencial pode ser encontrado em apenas seis países: Rússia (151 milhões de hectares); os EUA (103 milhões de hectares); Canadá (78,4 milhões de hectares); Austrália (58 milhões de hectares); Brasil (49,7 milhões de hectares); e China (40,2 milhões de hectares).
Muitos modelos climáticos atuais estão errados em esperar que a mudança climática aumente a cobertura global de árvores, adverte o estudo. Descobriu-se que provavelmente haverá um aumento na área de florestas boreais do norte em regiões como a Sibéria, mas a cobertura de árvores é de apenas 30% a 40%. Esses ganhos seriam superados pelas perdas sofridas em florestas tropicais densas, que normalmente têm 90 a 100% de cobertura de árvores.
Terra disponível para restauração florestal (excluindo desertos, áreas agrícolas e urbanas; floresta atual não mostrada).
Olhe para as árvores!
Uma ferramenta no site da Crowther Labpermite que os usuários olhem para qualquer ponto do globo e descubram quantas árvores poderiam crescer e quanto carbono armazenaria. Também oferece listas de organizações de restauração florestal. O Laboratório Crowther também estará presente no Scientifica deste ano (site disponível apenas em alemão) para mostrar a nova ferramenta aos visitantes.
O Crowther Lab usa a natureza como uma solução para:
1) alocar melhor os recursos – identificando as regiões que, se restauradas apropriadamente, poderiam ter o maior impacto climático;
2) estabelecer metas realistas – com metas mensuráveis para maximizar o impacto de projetos de restauração;
3) monitorar o progresso – para avaliar se as metas estão sendo alcançadas ao longo do tempo e tomar ações corretivas, se necessário. (ecodebate)

Nenhum comentário: