quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Pesquisadores encontram microplásticos na neve do Ártico

Ártico.
Microplásticos na neve do Ártico sugerem poluição atmosférica generalizada.
O vento desempenha um papel no transporte de microplásticos (fragmentos plásticos com menos de cinco milímetros de comprimento) para as ruas cobertas de neve das cidades europeias e áreas remotas do Oceano Ártico – onde os ecossistemas já estão estressados pelos efeitos da mudança climática.
As altas concentrações encontradas em amostras de neve de regiões díspares sugerem que os microplásticos – que podem conter verniz, borracha ou produtos químicos usados em tecidos sintéticos – causam poluição do ar significativa. Além disso, estudos anteriores mostraram que os microplásticos podem contribuir para o risco de câncer de pulmão, destacando a necessidade urgente de avaliar melhor os riscos à saúde de inalá-los.
Para entender melhor como os microplásticos viajam até agora, o que tem sido uma questão, Melanie Bergmann et al. usaram uma técnica de imagem para analisar amostras de neve coletadas entre 2015 e 2017 de gelo flutuante no Estreito de Fram, uma passagem entre a Groenlândia e Svalbard para o Oceano Ártico. (Eles visitaram cinco blocos de gelo de helicópteros ou botes durante três expedições).
Cientistas americanos encontram microplásticos no gelo do Ártico.
Pesquisadores usaram um helicóptero para aterrissar em campos de gelo e retirar amostras. Essa forma de poluição ameaça vida marítima mesmo nas águas mais remotas do planeta.
Para comparação, os pesquisadores investigaram amostras dos remotos Alpes Suíços e da Cidade de Bremen, no noroeste da Alemanha. Eles observaram que, embora as concentrações de microplásticos na neve do Ártico fossem significativamente menores do que as concentrações na neve europeia, os níveis desse poluente no extremo norte ainda eram substanciais.
A maioria das partículas estava na menor faixa de tamanho mensurável de menos de 11 micrômetros; tais partículas são mais propensas a serem absorvidas pelo transporte atmosférico, dizem os autores. Como a maioria dos estudos atualmente se concentra em partículas maiores que 200 ou 300 micrômetros, a medição de partículas menores permanece importante, a fim de avaliar realisticamente os microplásticos.
Partículas de plástico caem do céu com a neve no Ártico.
As altas quantidades de microplásticos na neve, como relatado aqui, sugerem que o transporte e a deposição atmosférica poderiam representar um caminho significativo para esses materiais em lugares distantes, dizem os autores. (ecodebate)

Nenhum comentário: