segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

Gás natural e petróleo aumentam as emissões globais de CO2 em 2019

Termelérica a carvão.
Prevê-se que as emissões globais de CO2 subam 0,6% em 2019 devido ao forte crescimento do uso de gás natural e óleo, apesar do declínio no consumo de carvão. O gás natural é o principal fator de emissão global desde 2012.
O Global Carbon Project (GCP) publica sua análise anual das tendências do ciclo global do carbono, incluindo a primeira estimativa anual do aumento das emissões globais de dióxido de carbono fóssil (CO2) em 2019. As emissões globais de CO2 fóssil devem subir 0,6% em 2019 (variação: –0,2% a + 1,5%) devido ao crescimento sustentado do consumo de gás natural e petróleo e apesar do declínio no uso de carvão. Um declínio nas emissões globais em 2019 não pode ser descartado, dadas as incertezas na projeção.
O recente crescimento das tecnologias de baixo carbono (solar, eólica, veículos elétricos) permitiu, na melhor das hipóteses, reduzir o crescimento das emissões globais de combustíveis fósseis, mas está longe de levar às agressivas reduções de emissões que são necessárias para ficarmos em linha com o limite global de aquecimento “bem abaixo de 2°C”, estabelecido pelo Acordo de Paris para evitar os piores impactos das mudanças climáticas.
“As emissões de dióxido de carbono devem diminuir drasticamente para que o mundo atinja a marca ‘bem abaixo de 2°C’ estabelecida no Acordo de Paris, e todos os anos emissões crescentes tornam essa meta ainda mais difícil de alcançar”, disse Robbie Andrew, Pesquisador Sênior no Centro CICERO de Pesquisa Internacional do Clima na Noruega.
O lançamento de hoje inclui três artigos nas revistas Nature Climate Change, Environmental Research Letters e Earth System Science Data.
Carvão diminui à medida que o gás natural aumenta
As emissões globais de CO2 fóssil (combustíveis fósseis, indústria e cimento) cresceram 3% ao ano na década de 2000, mas o crescimento diminuiu desde 2010 para uma média de 0,9% ao ano e, de 2014 a 2016, houve apenas um aumento muito pequeno em emissões. As emissões voltaram a crescer novamente em 2017 (1,5%), 2018 (2,1%) e agora em 2019 (0,6%).
“O fraco crescimento das emissões de dióxido de carbono em 2019 foi devido a um declínio inesperado no uso global de carvão, mas essa queda foi insuficiente para superar o crescimento robusto do consumo de gás natural e petróleo”, disse Glen Peters, diretor de pesquisa da CICERO. “Os compromissos globais assumidos em Paris em 2015 para reduzir as emissões ainda não estão sendo acompanhados por ações proporcionais”, alertou. “Apesar da retórica política e do rápido crescimento de tecnologias de baixo carbono, como energia solar e eólica, veículos elétricos e baterias, é provável que as emissões globais de CO2 fóssil sejam mais de 4% maiores em 2019 do que em 2015, quando o Acordo de Paris foi adotado”, acrescentou.
Declínio inesperado no uso de carvão
Estimativas anteriores sugerem que as emissões de CO2 oriundas do uso de carvão diminuirão em -0,9% em 2019 (variação: -2,0% a + 0,2%), enquanto as emissões de CO2 provenientes do consumo de petróleo crescerão 0,9% (variação: + 0,3% a + 1,6%) e gás natural 2,6% (variação: + 1,3% a + 3,9%).
Durante a maior parte de 2019, parecia que o uso de carvão aumentaria globalmente, mas um desempenho econômico mais fraco do que o esperado na China e na Índia, e um ano recorde de hidrelétricas na Índia – causado por uma forte monção – mudou rapidamente as perspectivas de crescimento no uso de carvão”, explicou Andrew. “O uso de carvão nos EUA e nos 28 países da União Europeia caiu substancialmente, possivelmente em até 10% em ambas as regiões apenas em 2019, ajudando a reduzir o consumo global de carvão”, disse Andrew.
Enquanto o mundo observa os altos e baixos do uso global de carvão, o consumo de petróleo e gás natural continua a crescer fortemente, com o gás experimentando o crescimento mais forte.
“Comparado ao carvão, o gás natural é um combustível fóssil mais limpo, mas o uso inabalável de gás natural apenas cozinha o planeta mais lentamente que o carvão”, disse Peters.
“Embora possa haver algumas reduções de emissões no curto prazo do uso de gás natural em vez de carvão, o consumo de gás natural precisa ser eliminado rapidamente para atender a metas climáticas ambiciosas”, disse ele.
Redução de emissões nos EUA e na União Europeia
Quase todos os países contribuíram para o aumento das emissões globais, seja pelo crescimento das emissões ou reduções mais lentas do que o necessário.
As emissões nos EUA caíram 1,1% ao ano desde o pico em 2005, e essa tendência continua em 2019, com uma queda de –1,7% (faixa: –3,7% a 0,3%), compensando um aumento nas emissões relacionadas ao clima em 2018, o que elevou a demanda por aquecimento nos meses frios e por refrigeração nos meses quentes.
A redução de emissões nos EUA em 2019 foi motivada por uma queda de 10% nas emissões do uso de carvão, com o carvão sendo substituído por gás, vento e energia solar baratos. As emissões de CO2 resultantes da queda no uso de carvão (–10%) e petróleo (–0,5%) foram parcialmente compensadas pelos aumentos no consumo de gás natural (3,5%).
As emissões nos 28 países da União Europeia caíram constantemente em -1,4% ao ano na última década e a projeção é de diminuir em 1,7% em 2019 (variação: -3,4% a + 0,1%). Apesar do declínio esperado no uso de carvão, em torno de 10%, o crescimento no consumo de petróleo e gás natural fará com que a taxa de redução das emissões seja menor que em 2018 (-2,1%).
Crescimento das emissões na China e na Índia
A China teve baixo crescimento e declínios inesperados nas emissões de CO2 no período de 2014 a 2016, mas em 2017 e 2018 as emissões de CO2 aumentaram novamente 1,7% e 2,3%, respectivamente. Em 2019, as emissões de CO2 da China deverão aumentar 2,6% (variação de 0,7% a + 4,4%). As emissões chinesas poderiam ter crescido mais rapidamente se não fosse o crescimento econômico mais lento e o crescimento mais fraco da demanda de eletricidade.
“Havia esperança de que a China estivesse se afastando rapidamente do uso de carvão, mas o consumo de carvão no país continua a crescer, ainda que modestamente”, disse Jan Ivar Korsbakken, pesquisador sênior do CICERO. “A China usa metade de todo o carvão do mundo, e o carvão deve permanecer como a maior fonte de energia e emissões de CO2 da China nos próximos anos”, acrescentou Korsbakken.
A China registrou baixo crescimento na demanda de eletricidade até agora em 2019 e nenhum crescimento na geração de eletricidade a carvão, pois um aumento na produção de energia a partir de fontes renováveis ​​e usinas nucleares conseguiu atender a maior parte do crescimento da demanda. Porém, um forte crescimento da produção de aço, cimento e outros produtos industriais intensivos em carvão manteve o consumo de carvão em alta. O uso de petróleo e gás continua a crescer rapidamente e juntos agora contribuem mais para o crescimento das emissões na China do que o carvão.
As emissões indianas de CO2 cresceram 5,1% ao ano na última década, mas espera-se que o crescimento seja muito mais fraco em 2019 em 1,8% (faixa: + 0,7% a + 3,7%). O fraco crescimento econômico na Índia levou a um crescimento mais lento no uso de petróleo e gás natural. Com uma economia enfraquecida, o crescimento na geração de eletricidade da Índia diminuiu de 6% ao ano para menos de 1% em 2019, apesar da eletrificação das aldeias aumentar a demanda potencial. Além disso, a adição de uma monção muito úmida levou a uma geração hidrelétrica muito alta e a um declínio na geração a partir do carvão.
Prevê-se que as emissões no resto do mundo – os 42% restantes das emissões globais – cresçam cerca de 0,5% em 2019 (variação de -0,8% a + 1,8%), muito menos do que na década anterior.
O crescimento contínuo das emissões gera aumento nas concentrações atmosféricas
As emissões globais de dióxido de carbono dos combustíveis fósseis e da indústria atingirão cerca de 36,8 bilhões de toneladas em 2019, um recorde. As estimativas preliminares da mudança no uso da terra para 2019 sugeriram um valor de 6 bilhões de toneladas de CO2, que é 0,8 bilhão de toneladas de CO2 mais alto que em 2018, devido ao aumento de incêndios florestais.
Enquanto isso, as emissões globais de dióxido de carbono de todas as atividades humanas (combustíveis fósseis, indústria e mudança no uso da terra) deverão atingir 43,1 bilhões de toneladas em 2019 (variação: 39,9 a 46,2 GtCO2).
A concentração atmosférica de CO2 atingiu, em média, 407,4 partes por milhão em 2018 e deve aumentar em 2,2 ppm em 2019 (+1,8 a + 2,6ppm), atingindo cerca de 410 ppm. Esse aumento está próximo da média da década passada por causa do retorno às condições neutras do El Niño, mas acima das décadas anteriores devido ao aumento das emissões de CO2. (ecodebate)

Nenhum comentário: