quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Feedback positivo não pode ser explicado pelos animais do solo

Mudanças climáticas: feedback positivo não pode ser explicado pelos animais do solo.
Quando o solo aquece, libera mais dióxido de carbono (CO2) – um efeito que alimenta as mudanças climáticas. Até agora, assumiu-se que o motivo disso se deve principalmente à presença de pequenos animais do solo e micro-organismos que comessem e respiram mais em temperaturas mais quentes. No entanto, um novo estudo na Nature Climate Change mostrou que este não é o caso. Muito pelo contrário: se o calor é acompanhado por seca, os animais do solo comem ainda menos. A fim de melhorar o poder preditivo dos modelos climáticos, é crucial entender os processos biológicos no solo, dizem os cientistas.
O fato de que o clima do mundo está mudando é principalmente devido à queima de combustível fóssil. Como consequência, grandes quantidades de dióxido de carbono (CO2) são liberadas para a atmosfera da Terra. No entanto, além disso, as mudanças climáticas também estão sendo intensificadas por conta própria, porque o aquecimento global também está causando o ciclo natural do carbono. Embora na Terra, o carbono seja constantemente convertido de compostos sólidos em CO2 gasoso e vice-versa, temperaturas mais quentes podem melhorar as perdas de carbono na forma de CO2 do solo. Como resultado, mais CO2 é introduzido na atmosfera da Terra: um feedback positivo.
Os cientistas já haviam assumido que esse efeito era principalmente devido à presença de pequenos animais e micro-organismos no solo, que se alimentam de matéria orgânica morta (por exemplo, folhas caídas). Porque quando eles “queimam” seus alimentos, CO2 é lançado (“respiração”). Esperava-se que, em temperaturas mais quentes, insetos e vermes, com papéis decomposição, comeriam mais, e a matéria orgânica morta no solo seria decomposta a taxas mais rápidas. Afinal, esses animais são pecilotérmicos** (poikilotherms) cuja temperatura corporal e atividade dependem do meio ambiente. 
Bactérias e fungos unicelulares no solo também devem ser mais ativos a temperaturas mais quentes, com base no entendimento atual. Mas agora um novo estudo questiona essa suposição. Uma equipe de pesquisadores liderada pelo Centro Alemã de Pesquisas Integrativas de Biodiversidade (iDiv) e Universidade de Leipzig realizou um experimento para simular o aquecimento do solo na floresta e descobriu-se surpreendentemente: as temperaturas mais quentes não influenciam a atividade de alimentação dos animais do solo.
O Dr. Madhav P. Thakur, primeiro autor do estudo, explica por que esses resultados são de grande relevância: “O efeito de feedback do aquecimento climático através da maior liberação de CO2 do solo é uma suposição crucial nos modelos que preveem o nosso clima futuro. Portanto, é importante saber o que isso causa esse efeito. Nossos resultados indicam que podem não ser os animais do solo, pelo contrário: seu papel pode ser o contrário do que esperamos, pelo menos quando o aquecimento e a seca ocorrem juntos ”. 
De acordo com o professor Nico Eisenhauer, autor principal do estudo: “É muito provável que em vez de animais e micro-organismos do solo, as plantas são responsáveis ​​pelo efeito de feedback porque também respiram com suas raízes. Para melhorar a validade dos modelos climáticos, agora precisamos mais urgentemente entender os processos biológicos no solo. “Afinal, o solo é o principal reservatório de carbono na terra, diz o cientista.  
O estudo foi conduzido como parte de um experimento de longo prazo em mudança climática em Minnesota, EUA. No experimento ‘B4WarmED’ (Boreal Forest Warming at an Ecotone in Danger), cientistas estão aquecendo artificialmente várias parcelas de terras da floresta boreal em 3,4°C. Além disso, eles também reduzem as chuvas em 40% em alguns lugares, criando tendas em tempo chuvoso. 
Os cientistas mediram o quanto os animais do solo comeram usando “tiras de lâmina de isca”: pequenas varas com furos nas quais os pesquisadores preenchiam substrato que se assemelhava à matéria orgânica no solo. Essas varas estavam presas no chão. A cada duas semanas, os cientistas verificaram a quantidade de substrato que foi consumida. Os pesquisadores realizaram mais de 40 dessas medidas ao longo de um período de quatro anos. É o primeiro estudo desta escala a investigar os efeitos do aquecimento global e da seca em animais do solo de decomposição. Além do que, além do mais, 2 foi liberado do solo com um analisador de gás.
Área do experimento de aquecimento do solo. (ecodebate)

Nenhum comentário: